Produtor musical Liber Gadelha morre vítima de covid-19


Filha do guitarrista, a cantora Luiza Possi confirma em rede social a morte deste artista que, no comando da gravadora Indie Records, lançou Vinny e transformou Jorge Aragão em bom vendedor de disco. Liber Gadelha com a filha, Luiza Possi
Reprodução / Instagram Luiza Possi
♪ OBITUÁRIO – É possível que, para gerações mais jovens, Liber Gadelha (25 de janeiro de 1957 – 30 de janeiro de 2021) tenha sido apresentado como o pai da cantora Luiza Possi. Profissionais do mercado fonográfico brasileiro sabem que o guitarrista, produtor musical, compositor e empresário carioca deixa legado mais amplo na música ao morrer vítima de covid-19 neste sábado, 30 de janeiro, cinco dias após completar 64 anos.
O artista estava internado há cerca de dois meses em hospital da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A morte de Liber Gadelha foi confirmada por Luiza Possi em rede social. “É com uma dor imensa e o coração na mão que eu venho aqui hoje dizer que o Nosso Guerreiro descansou”, comunicou Luiza aos amigos e fãs.
Com atuação destacada no meio fonográfico sobretudo quando fundou e geriu a Indie Records, gravadora surgida em 1997, Liber Gadelha fez história no mundo do disco.
No comando da Indie Records, Liber lançou Vinny, fez Jorge Aragão se tornar enfim um grande vendedor de discos – após série de álbuns de reduzida visibilidade – e reabilitou Luiz Melodia (1951 – 2017) no mercado fonográfico em 1999, além de ter devolvido a Alcione, a partir de álbum ao vivo editado em 2002, uma popularidade que a cantora parecia já ter perdido definitivamente.
Em 2006, no rastro do sucesso comercial de Indie Records, Líber criou a LGK Music, outra companhia fonográfica. Contudo, a trajetória de Líber – guitarrista diplomado na Berklee College of Music – começara bem antes no mundo do disco.
Ao longo dos anos 1980, o produtor musical deu forma a vários álbuns de Zizi Possi, inclusive o cultuado Estrebucha baby (1989). Com Zizi, Liber fez parceria na música – através da qual gerou composições como Brilho louco (1984) e O grande sonho (1986) – e na vida.
Do casamento de Liber com Zizi, nasceu em 1984 Luiza Possi, cuja carreira de cantora foi inicialmente conduzida por Liber a partir de 2002.
Nove anos antes, em 1991, Liber Gadelha produzira Cedo ou tarde, álbum do soulman Cassiano com duetos com intérpretes do naipe de Djavan, Luiz Melodia e Marisa Monte. Também em 1991, Liber tocou violão e guitarra em Olhos negros, álbum all star de Johnny Alf (1929 – 2010).
Entre outros feitos no meio fonográfico, Liber Gadelha foi um dos produtores musicais de Zerima (2014), último álbum de estúdio de Luiz Melodia, de quem Liber foi grande amigo.