Primeira mulher candidata a astronauta dos EUA morre aos 88

Geraldyn Cobb, em um simulador da Nasa em 1961, nunca foi ao espaço

Geraldyn Cobb, em um simulador da Nasa em 1961, nunca foi ao espaço
Divulgação / NASA

A primeira mulher a ser aprovada nos mesmos testes físicos e de pilotagem que os astronautas pioneiros da Nasa, Geraldyn “Jerrie” Cobb, morreu em março aos 88 anos. Ela foi uma das primeiras pessoas a lutar pela igualdade de gênero dentro da agência espacial norte-americana.

Leia também: Astronauta Christina Koch baterá recorde de permanência no espaço

Segundo um representante da família, Jerrie morreu em 18 de março, mas a notícia foi divulgada apenas um mês depois, na última quinta-feira. Ela vivia no estado da Flórida.

A história do Mercury 13

Há 60 anos, em abril de 1959, Jerrie Cobb fez parte do chamado “Mercury 13”, um grupo de 13 mulheres que passaram pelos mesmos testes físicos e de pilotagem que a primeira turma de astronautas homens da Nasa, o programa Mercury.

Jerrie Cobb (3ª da esq para a dir) e outras mulheres do Mercury 13 em 1995

Jerrie Cobb (3ª da esq para a dir) e outras mulheres do Mercury 13 em 1995
Divulgação / Nasa

O Mercury 13, no entanto, não foi um programa oficial da Nasa. Era uma iniciativa de William Lovelace, médico-chefe da agência, e financiado por uma investidora particular, a aviadora Jacqueline Cochran, esposa de William. 

O objetivo deles era determinar se as mulheres teriam a mesma capacidade para serem astronautas que os homens. Jerrie e outras 12 candidatas, das 19 que se apresentaram para os testes, foram aprovadas e, em teoria, poderiam ser aproveitadas pela Nasa como astronautas.

A agência, no entanto, contratava apenas homens para a função e Jerrie foi contratada apenas como consutora, em 1961. Apesar de ser algumas vezes apontada como “primeira mulher astronauta dos EUA”, ela jamais recebeu esse título da Nasa.

Ela nunca fez parte de missões espaciais e jamais foi ao espaço. As fotos dela junto às cápsulas e foguetes da Nasa foram usadas apenas como propaganda.

Legado espacial

Em 1963, quando a soviética Valentina Tereshkova se tornou a primeira mulher para ir ao espaço, Jerrie já havia testemunhado contra o sexismo da Nasa em uma comissão do Congresso norte-americano.

Graças a esse depoimento, as políticas da Nasa acabaram mudando. No entanto, isso aconteceu apenas mais de uma década depois, em 1978, quando a primeira turma de mulheres foi contratada pela agência.

Sally Ride, que em 1983 se tornou de fato a primeira astronauta norte-americana (e faleceu em 2012), estava nesse grupo.