Presidente do BC diz que ‘incertezas continuam no ar’ e adiam investimentos

‘O investidor esperou, esperou e está esperando o momento’, disse Roberto Campos Neto. Ele voltou a defender a necessidade de reformas para que essas incertezas diminuam. As incertezas continuam no ar e geram um adiamento nas decisões de investimentos, impactando o ritmo da economia, afirmou nesta quinta-feira (16) o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, durante audiência pública no Congresso Nacional.
Ele reafirmou que o mercado está aguardando a realização de reformas, não somente aquelas relacionadas com a contenção dos déficits nas contas públicas, para retomar os investimentos.
“A gente acha que a recuperação da atividade econômica foi parcialmente interrompida. As eleições acabaram sendo mais polarizadas. Quem tem dinheiro, espera. O investidor esperou, esperou e está esperando o momento [de investir]”, declarou Campos Neto.
De acordo com sua análise, quando o governo Bolsonaro teve início, em janeiro deste ano, houve um “princípio de otimismo”, mas acrescentou que “rapidamente o mercado entendeu” que o governo tem uma “trajetória fiscal” (rombos bilionários nas contas públicas) não compatível com essa crença.
“Não há um país com inflação baixa, juros baixos, e o fiscal desarrumado. O mercado está no processo de esperar as reformas, não só as fiscais [que têm impacto nas contas públicas, como a da Previdência Social], mas todas, como a tributária por exemplo, que gerem um ambiente melhor”, declarou o presidente do Banco Central.
De acordo com Roberto Campos Neto, embora a “recuperação gradual da atividade econômica” tenha sido interrompida, o cenário básico do BC ainda contempla sua retomada “adiante”.
Nesta quarta-feira (15), o próprio Banco Central informou que a economia brasileira teria registrado retração de 0,68% no primeiro trimestre de 2019, conforme indicou o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma espécie de “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB). Os números oficiais do PIB do primeiro trimestre, porém, serão divulgados no dia 30 de maio.
Nesta terça-feira, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a economia do país está no “fundo do poço” e, na avaliação do ministro, está “nas mãos” do Congresso tirar o Brasil dessa situação, com a aprovação de reformas propostas pelo governo.
“Então, não adianta achar que nós vamos crescer por fora, que vamos crescer 3%. Não é a nossa realidade. A nossa realidade é o seguinte: estamos lá no fundo. Agora, está nas mãos da Casa [Congresso Nacional] nos tirar do fundo do poço, com esse equacionamento fiscal [com a aprovação da reforma da Previdência, entre outras medidas]”, acrescentou ele, na ocasião.