Preços do petróleo sobem após ataque a petroleiros no Oriente Médio

Brent subia mais de 2% na manhã desta segunda-feira (13), a US$ 72,06 por barril. Os contratos futuros do petróleo subiam nesta segunda-feira devido à crescente preocupação com interrupções no fornecimento no Oriente Médio, mesmo com investidores e comerciantes ainda preocupados com as perspectivas do crescimento econômico global em meio a um impasse nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.
O petróleo Brent subia 1,44 dólar, ou 2,04%, a US$ 72,06 por barril, às 9h32 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 1,15 dólar, ou 1,87%, a US$ 62,81 por barril.
A Arábia Saudita disse nesta segunda-feira que dois petroleiros sauditas estavam entre navios atacados na costa dos Emirados Árabes Unidos, condenando o que definiu como uma tentativa de ameaçar a segurança da oferta global de petróleo.
Os Emirados Árabes Unidos disseram no domingo que quatro navios comerciais foram atacados perto de Fujairah, um dos maiores centros de abastecimento de combustível do mundo. O porto fica perto do Estreito de Ormuz, um dos canais de exportação de petróleo mais importantes do mundo.
O Ministério das Relações Exteriores do Irã considerou os incidentes “preocupantes e terríveis” e pediu uma investigação sobre o assunto.
A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos são o primeiro e terceiro maiores produtores da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Os mercados têm sido apoiados pela tentativa de Washington de cortar as exportações de petróleo do Irã para zero e reduzir as exportações da Venezuela, onde problemas de infraestrutura também reduziram a produção.
Mas o atrito comercial entre Washington e China, que se intensificou na semana passada, deve manter um teto sobre os preços.
Arábia Saudita denuncia sabotagem contra petroleiros