Pesquisa da USP mostra que árvores crescem menos em regiões mais poluídas


Metais pesados como chumbo e manganês contaminam o solo, onde árvores se alimentam. Poluição afeta a saúde das árvores
Uma pesquisa do Instituto de Biociências da USP concluiu que a poluição da cidade de São Paulo prejudica também a saúde das árvores.
Metais pesados como chumbo e manganês, presentes nas partículas emitidas pelos veículos, contaminam o solo onde as árvores se alimentam. Essas partículas também recobrem as folhas e prejudicam o metabolismo das plantas.
Para a pesquisa, foram colhidas amostras de dois grupos de árvores, um grupo localizado bem perto de vias de tráfego intenso e outro mais longe, menos exposto à poluição.
“Quando a gente comprara plantas crescendo próximo a grandes fontes de poluição, a gente vê que elas crescem até 37% a menos do que em regiões com menor poluição”, concluiu o pesquisador Giuliano Maselli Locosselli.
As 41 árvores estudadas eram todas tipuanas adultas, uma espécie originária da Bolívia e muito usada em projetos de urbanização em São Paulo, no século passado. Mas, o resultado da pesquisa indica perigo para todas as espécies.
Os cientistas indicam que uma forma de contornar o problema é plantar mais tipuanas para compensar a retenção de poluição pelo aumento no número de árvores, e também plantar árvores mais resistentes à poluição em áreas urbanas.
Pesquisa da USP mostra que árvores crescem menos em regiões mais poluídas
Reprodução/TV Globo