Peças de propaganda de estatais não terão de ser submetidas à Presidência, diz Planalto

Nota da Secretaria de Governo foi divulgada após funcionário ter enviado e-mail a estatais informando que peças deveriam ser submetidas ao Planalto. Segundo nota, medida feriria lei. Governo volta atrás na decisão de aprovar toda a publicidade de ministérios e estatais
A Secretaria de Governo divulgou uma nota na noite desta sexta-feira (26) na qual informou que peças de propaganda de empresas estatais não precisarão ser submetidas à Presidência da República porque isso feriria a Lei das Estatais.
A nota foi divulgada após o secretário de Publicidade e Promoção, Glen Lopes Valente, ter enviado um e-mail a empresas – como Petrobras e Correios – determinando que as peças de propaganda fossem submetidas à Secretaria de Comunicação Social, subordinada à Secretaria de Governo.
“Em atendimento à decisão estratégica de maximizar o alinhamento de toda ação de publicidade do Poder Executivo federal, comunicamos que a partir desta data o conteúdo de todas as ações publicitárias, inclusive de natureza mercadológica (…) deverá ser submetido para conformidade prévia da Secom [Secretaria de Comunicação da Presidência]”, dizia o e-mail.
Na noite desta sexta, a Secretaria de Governo divulgou a seguinte nota: “A Secom, ao emitir o e-mail veiculado, não observou a Lei das Estatais, pois não cabe à Administração Direta intervir no conteúdo da publicidade estritamente mercadológica das empresas estatais.”
Questionada se, a partir disso, a orientação do secretário não valeria mais, a Secretaria de Governo respondeu que sim.
Bolsonaro manda tirar do ar propaganda do Banco do Brasil que apostava na diversidade
Entenda a polêmica
Nesta quinta-feira (25), o Banco do Brasil informou ter retirado do ar uma propaganda que incentivava jovens a abrir conta no banco.
No vídeo, de 30 segundos, eram exibidas imagens de pessoas que, segundo a locutora, “fazem carão”, “biquinho de ‘vem cá me beijar'”, “quebrada de pescoço para o lado”, “papada negativa”, “cara de rica irritada” e “movimento natural esquisito”.
Enquanto a narradora falava, eram exibidas imagens de pessoas agindo conforme a narração.
Apareciam no vídeo uma mulher careca negra, um homem em um salão de beleza, uma mulher negra com cabelo loiro, outra mulher com cabelo rastafari, um homem com cabelo rosa, uma mulher com cabelo curto e um homem em ambiente de festa.
Segundo o Banco do Brasil, a peça foi retirada do ar porque o presidente da instituição, Rubem Novaes, entendeu que “faltaram outros perfis de jovens”.
De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, o presidente Jair Bolsonaro vetou a propaganda.