Pau Brasil ecoa ‘Cantos da natureza’ no primeiro álbum infantil do grupo


Cantores como Renato Braz e Céu dão vozes ao repertório formado por músicas de Rodolfo Stroeter com letras de Edgard Poças, criador nos anos 1980 d’A Turma do Balão Mágico. ♪ Gerado na virada dos anos 1970 para a década de 1980, a partir de coletivo de instrumentistas reunidos na cidade de São Paulo (SP) sob a liderança pelo pianista Nelson Ayres, o grupo Pau Brasil ganhou nome dado pelo baixista Rodolfo Stroeter em 1981 – com alusão a termo usado pelos modernistas paulistanos da semana de 1922 – e lançou o primeiro álbum em 1983.
Desde então, o grupo vem se destacando no nicho da música instrumental do Brasil pelo som feito com identidade e maestria técnica. Cantos da natureza – álbum que chega às plataformas de áudio na segunda-feira, 12 de outubro, Dia das crianças – se diferencia na discografia do Pau Brasil por ser o primeiro trabalho do grupo em linha infantil e por estar povoado de vozes.
Tocados por Nelson Ayres (piano), Paulo Bellinati (violão), Ricardo Mosca (bateria), Rodolfo Stroeter (baixo) e Teco Cardoso (flauta), os cantos da natureza do título do disco são ouvidos em vozes de cantores como Renato Braz, Céu, Marlui Miranda (ex-integrante do Pau Brasil), Sergio Santos, Diogo Poças, Maria Clara Novaes e Edgard Gianullo.
O coral infantil Trovadores Mirins – de vozes orquestradas sob regência da maestrina Lucila Novaes – e o Trio Amaranto (grupo mineiro de Belo Horizonte formado pelas irmãs Flávia, Lúcia e Marina Ferraz) também participam do disco.
A propósito, o embrião do álbum Cantos da natureza é um disco do Trio Amaranto produzido por Rodolfo Stroeter. Nesse disco do trio, já havia a Suíte 4 elementos e O ornitorrinco, músicas compostas por Stroeter com letras de Edgard Poças. Ambas reaparecem no álbum do Pau Brasil.
Capa do álbum ‘Cantos da natureza’, do grupo Pau Brasil
Divulgação
Para quem não liga o nome ao som, o compositor, músico e publicitário paulistano Edgard Poças foi o mentor do grupo infantil A Turma do Balão Mágico, um dos maiores sucessos comerciais da indústria do disco no Brasil dos anos 1980.
Após o disco do Trio Amaranto, Stroeter ampliou a conexão e a parceria com Poças. O repertório do álbum Cantos da natureza é formado essencialmente por músicas de Stroeter com letras de Poças. Mas há eventuais colaborações autorais de outros integrantes do Pau Brasil, caso de Nelson Ayres, coautor de Estrelinha (cantiga interpretada por Renato Braz) e Minha terra.
O repertório do disco versa sobre os quatro elementos básicos da natureza – água, ar, fogo e terra – e as variações decorrentes deles.
Embora não seja cantor, Edgard Poças solta a voz em duas faixas do disco. O letrista divide com Maria Clara Novaes a interpretação do tema de abertura – a já mencionada parceria com Nelson Ayres intitulada Minha terra – e reaparece no fecho do disco, solando o acalanto Soneca, arranjado por Paulo Bellinati.
Entre uma música e outra, o álbum Cantos da natureza apresenta a voz da cantora Céu em Chuva (Rodolfo Stroeter e Edgard Poças) e em O cravo casou com a rosa (Rodolfo Stroeter e Edgard Poças), música também cantada por Sergio Santos.
Céu – cabe ressaltar – é filha de Edgard Poças, que deu aulas de música para Rodolfo Stroeter por volta de 1972. Quase 50 anos depois, o álbum Cantos da natureza reconecta Stroeter e Poças através do toque virtuoso do Pau Brasil.