Pai de um dos bebês que morreram no HC-UFTM conta como recebeu a notícia: ‘É triste’


Roberto Alves disse ao MGTV que ficou sabendo do falecimento da filha em Uberaba na terça (20). Quatro recém-nascidos por causa de bactéria; hospital investiga fonte de contaminação. Na entrevista, Rodrigo conta como a família está lidando com o luto
Reprodução/TV Integração
Em entrevista ao MGTV 1ª Edição, o pai de um dos quatro recém-nascidos que morreram na UTI Neonatal do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM) relatou como foi receber a notícia da morte da filha e como a família está lidando com o luto.
Segundo Roberto Alves da Silva Filho, era por volta da 1h20 de terça-feira (20) quando ele recebeu uma ligação do hospital, que pediu que ele fosse até o local.
“Chegando lá, o médico me deu a notícia de que a minha filha estava com infecção, deu três paradas cardíacas e que eles não conseguiram reverter a situação. Na hora a minha ficha não caiu e depois procurei saber o porquê, já que sempre que eu ia ao hospital recebia notícias positivas dela”, lembrou o açougueiro.
“É triste. É uma dor que só a gente sente. É muito difícil. A gente fica procurando o motivo de isso ter acontecido se ela estava evoluindo bem. Era o sonho da minha esposa ter um filho. A gente planejou. Estava tudo pronto. Estávamos esperando ela voltar para a casa logo”, lamentou Roberto.
Na entrevista, Roberto pediu que o hospital tenha cuidado para que isso não se repita. “A gente para que os responsáveis tenham cuidado para que isso não aconteça com outras famílias. É muito doloroso receber uma notícia dessas, ainda mais que foi uma bactéria que causou”, acrescentou.
Estado de saúde de bebês
Nesta quarta (21), o HC-UFTM divulgou que resultado dos exames realizados a partir de amostras sanguíneas dos quatro recém-nascidos apontou que os bebês que morreram apresentaram crescimento da bactéria Enterobacter cloacae multissensível, que não é uma bactéria multirresistente. As hemoculturas comprovaram que não houve contaminação pela bactéria KPC.
Segundo o HC-UFTM, não houve novos óbitos e, dos 18 bebês que estão na UTI Neonatal do hospital, dois apresentam a bactéria Enterobacter cloacae multissensível, e estão recebendo tratamento para a infecção.
“O Hospital de Clínicas continua a investigação para identificar a fonte de contaminação”, diz nota do HC-UFTM.
Nesta quinta-feira (22), a assessoria informou ao MGTV que esses dois bebês contaminados pela bactéria estão medicados e em estado clínico estável, sem risco de morte no momento. O processo de investigação da fonte de contaminação desses bebês ainda está em andamento.

Powered by WPeMatico