Mais de 30 veículos irregulares são apreendidos em operação da PRF em Angra dos Reis


De acordo com os agentes, ação de fiscalização foi realizada na BR-101 (Rodovia Rio-Santos). Um homem preso por tráfico de drogas. Operação duas rodas prende suspeitos e apreende veículos na BR-101, em Angra
Divulgação/PRF
Uma operação de fiscalizção da Polícia Rodoviária Federal apreendeu mais de 30 veículos irregulares na tarde desta quarta-feira (15), na BR-101 (Rodovia Rio-Santos), em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio. De acordo com as primeiras informações da PRF, 31 motos e um carro roubado foram recuperados.
Durantea ação, batizada de Operação Duas Rodas, um homem estava com dois mandados de prisão em aberto — um deles por tráfico de drogas — e foi levado para 166ª Delegacia de Polícia. As motocicletas irregularess e o veículo foram levados para o pátio da PRF.

Dançar balé auxilia o processo de aprendizagem


A arte impacta a forma como o cérebro assimila novos conhecimentos Dançar, além de ser prazeroso, é uma ótima ferramenta de cura para o corpo e a mente. Há tempos o balé tem sido usado como instrumento de ajuda para pessoas que vivenciam situações traumáticas ou que sofrem com doenças mentais a melhor processar as informações do dia a dia. O que tem empolgado cientistas, e apaixonados pela atividade, é a comprovação de que a dança influencia diretamente a forma como o cérebro trabalha.
Cognição é a ação ou processo mental de adquirir conhecimento por meio de pensamentos, experiências e sensações. Aprimorar e manter os processos cognitivos cerebrais sempre foi algo que intrigou os cientistas. Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Albert Einstein de Medicina comprovou os benefícios da dança na retenção e aquisição de novos conhecimentos. A pesquisa teve como principal alvo idoso. Dentre os participantes do estudo, 76% daqueles que dançavam com frequência exibiram menos sinais de demência. O número é superior ao do grupo que faz palavras cruzadas e lê com frequência.
A dança tem o papel de melhorar as capacidades cognitivas ao preparar o cérebro para o processo de aprendizado. Ao dançar, sangue é bombeado vigorosamente dando ao órgão glicose e oxigênio necessários para o seu bom funcionamento.
Além de intensificar o fluxo sanguíneo, outras partes do cérebro, como o hipocampo e o córtex cerebral, também são beneficiadas. Ambas são constantemente requisitadas para realizar os passos de dança e acabam sendo fortalecidas pela repetição dos movimentos. Assim, novos caminhos neurais são construídos, o que acelera e melhora a transmissão de informação.

Divulgação Pexels
Dançar estimula a forma como o cérebro funciona
Mais do que outras danças, o balé reforça o processo de aprendizagem. Um estudo, desenvolvido pelo departamento de saúde da York University, acompanhou 11 dançarinos (de 19 a 50 anos) durante 34 semanas enquanto eles aprendiam uma nova coreografia. O resultado mostrou que, durante o processo de aprendizado, os neurônios das regiões cerebrais envolvidas alteraram seus padrões de conexão, se tornando mais eficientes.
Muito esforço mental e físico é exigido do bailarino no palco, por mais que a sensação da plateia seja que ele desliza levemente pelo palco a cada passo. Dançar desafia o cérebro a sincronizar o movimento do corpo com a expectativa do que é idealizado na mente. O estudo da York University resultou na mesma descoberta que as pesquisas da Universidade Albert Einstein de Medicina. É por isso que o balé, assim como outras modalidades de dança, é capaz de limitar o avanço de doenças mentais relacionadas ao envelhecimento, como a demência.
Entenda quais são os benefícios para o cérebro
O balé é uma excelente ferramenta para manter a mente ativa e retardar a perda da inteligência fluída, que compreende habilidades como o reconhecimento de padrões e a capacidade de resolver problemas. Independentemente da idade, dançar é um exercício físico e mental que beneficia:
A memória: em cada aula de balé, você aprende diferentes movimentos que podem ser combinados de inúmeras formas, o que é um excelente exercício para a memória de curto prazo.
A imaginação: o primeiro passo para o corpo executar uma coreografia é imaginar cada parte do corpo executando os movimentos. Além disso, é preciso fazer diversas associações para transmitir a informação do cérebro ao corpo e realizar um movimento perfeito.
O pensamento: como o balé é uma arte de movimentos precisos, todo o cérebro é envolvido na atividade. O lado esquerdo e direito precisam trabalhar em sincronia, o que exercita a forma como as conexões nervosas são processadas.
O reconhecimento de padrões: exercícios complexos da dança nada mais são do que repetições de padrões. O movimento battement tendu, por exemplo, consiste em diversas variações de direção do movimento de cada perna.
O alívio do estresse: a dança ajuda o corpo a liberar endorfina, hormônio que combate o cortisol, que é responsável pelos efeitos do estresse. Dançar balé exige tanto foco quanto praticar meditação e, por isso, tem o mesmo efeito relaxante.

Divulgação Pexels
O projeto “Um sonho na nossa Santa Catarina”, da NSC TV, mostra como a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil transformou o Estado em referência em dança, realizando sonhos de estudantes de diferentes regiões do país. O programa é apoiado pela UniSociesc instituição que acredita no papel da cultura na formação de uma sociedade melhor.
– Formamos mais do que profissionais, formamos agentes transformadores da sociedade. E é dessa forma que queremos sempre contribuir com a comunidade: proporcionando uma parceria de sucesso entre educação e cultura – Flávio Janones, Diretor de Marketing e Novos Negócios da UniSociesc
Para conhecer mais sobre os projetos da universidade acesse o site da instituição.