Ex-marido de corretora de imóveis executada na Barra da Tijuca é o principal suspeito do crime

Ex-marido de corretora de imóveis executada na Barra da Tijuca é o principal suspeito do crime

A Justiça do Rio de Janeiro decretou nesta quinta-feira (16) a prisão temporária do ex-marido de Karina Garofalo Pereira e do primo do suspeito. As investigações apontam que o primo teria sido o autor dos disparos. Na decisão, o juiz ressaltou que, em liberdade, os suspeitos poderiam ocultar provas. O autor dos disparos foi reconhecido pelo filho da vítima, que soube precisar a arma usada no crime. Câmeras de segurança flagraram todo o trajeto de suspeitos entes da morte da corretora na Barra da Tijuca.

Juíza nega transferência de acusado de matar Tatiana Spitzner no Paraná

Marido de advogada morta em prédio é transferido para Guarapuava

Marido de advogada morta em prédio é transferido para Guarapuava
Reprodução

A juíza Liliane Graciele Breitwisser negou nesta quinta-feira (16) o pedido de transferência feito pelos advogados do professor Luis Felipe Manvailer, de 32 anos. A defesa argumenta que ele tentou cometer suícidio na Penitenciária Industrial de Guarapuava, em Guarapuava, cidade distante 257 km de Curitiba.

Manvalier foi denunciado pelo Ministério Público no caso envolvendo a morte da advogada Tatiane Spitzner. Ele é acusado de homicídio qualificado por feminicídio, fraude processual e cárcere privado.

No pedido de transferência de Luis Felipe, os advogados solicitaram sua transferência para o Complexo Médico Penal na cidade de Pinhais, alegando que ele tem um “quadro de depressão profunda que culminou com uma tentativa de suicídio”.

A juíza justificou sua decisão alegando que Manvalier foi atendido por médicos no dia da tentativa de suícidio e passou a receber medicamentos que controlaram a saúde física e mental, ressaltando ainda que ele “já foi encaminhado para a realização das atividades de praxe no interior da unidade prisional, como banho de sol e recebimento de visitas”.

Os advogados da família de Tatiane também protocolaram manifestação contrária a transferência, alegando que “basta o profissional requisitado [psiquiatra/psicólogo] se deslocar até a unidade prisional e prestar o atendimento”, afirmando ainda que a estrutura do presídio não é incompatível com essa providência.

A defesa de Manvailer afirmou que está analisando a decisão e tomará as providências cabiveis e que “está tomando todas as providências cabíveis para salvaguardar a integridade física e mental do paciente”.

Advogada foi agredida antes de morrer

O caso aconteceu na madrugada do dia 22 de julho e ganhou ampla repercussão nacional e internacional por envolver feminicídio e imagens chocantes.

Imagens de câmeras de segurança obtidas pela RecordTV mostram Luis Manvailer agredindo a esposa dele, a advogada Tatiane Spitzner, encontrada morta em casa, em Guarapuava, após cair do quarto andar do prédio onde o casal morava.

De acordo com o inquérito, Manvalier vinha demonstrando agressividade em relação a sua mulher. Após a morte dela, ele ainda tentou fugir, mas acabou preso após bater o carro em uma rodovia no interior do Paraná.