Uma das vítimas da tragédia de Brumadinho (MG) nasceu em Taguatinga

Eric Zambon
eric.zambon@grupojbr.com

Uma das vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho (MG) pode ser oriunda do Distrito Federal. Conforme seu perfil no Facebook, Alano Reis Teixeira, que trabalhava para a Vale, nasceu em Taguatinga e morou em Belo Horizonte (MG) antes de ir para o interior mineiro. A esposa do homem, Adriana Coutinho, informou, pela rede social, que a missa de sétimo dia do marido acontece às 19h desta sexta-feira (1º), na capital de Minas Gerais.

A reportagem do JBr. ainda tenta contato com a família da vítima. As publicações de sua mulher, abertas a qualquer um no Facebook, contudo, revelam que o velório aconteceu na última terça-feira (29). Ainda não há detalhes sobre a localização de Alano no momento do ocorrido.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = ‘https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v3.2’; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Eu, Rafaela (irmã do Alano), a pedido da Dri, venho agradecer a todas as pessoas que de alguma forma estiveram presente…

Publicado por Adriana Coutinho em Quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Imagens impressionantes

Duas emissoras de televisão conseguiram imagens inéditas sobre o crime ambiental cometido pela Vale. Os vídeos mostram o exato instante em que os rejeitos de minério explodem a estrutura de contenção e criam um caminho de destruição.

Conforme o último balanço divulgado pelo Corpo de Bombeiros mineiro, já são contabilizados 110 mortos, 71 deles identificados, 238 pessoas desaparecidas, 192 resgatadas e 395 localizadas, no geral.

The post Uma das vítimas da tragédia de Brumadinho (MG) nasceu em Taguatinga appeared first on JBr..

População fica ilhada em distrito do norte goiano

Após interdição da balsa, moradores precisam percorrer mais de 100 quilômetros para chegar até cidade mais próxima. Antes, a travessia era de 12

Foto: divulgação

Desde a última quarta-feira, 30, a população do distrito de Lavrinhas de São Sebastião, no norte goiano, está sofrendo com o isolamento e com dificuldade de acesso à cidade sede, São Luiz do Norte. Isso porque uma balsa que fazia ligação entre a cidade e o distrito foi interditada pela Marinha por falta de manutenção.

Por não existir ponte entre o distrito e o município, que são separados pelo Rio da Almas, a balsa era a melhor opção via GO-338. Após a interdição, a população precisa dar uma volta de mais de 100 quilômetros, pela BR-153, para atividades simples, como ir ao trabalho e à escola. O percurso pelo caminho anterior era de 12 km.

Segundo Selmo Luiz Correia, 46 anos, o balseiro que comandou o trajeto de 1992 até o dia da interdição, a Ética – empresa responsável por sua manutenção – abandonou o trabalho no dia 11 de outubro por falta de pagamento da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra), antiga Agetop. “Eles nos avisaram, nós cumprimos aviso e o serviço foi encerrado.

O balseiro Luiz explica que para a população não ter prejuízo, eles resolveram continuar fazendo a travessia por conta própria e com ajuda da população para o abastecimento. Ele passou a cobrar R$ 5,00 por moto e R$ 10,00 por carro para arcar com os custos e continuar a fazer a travessia. Antes da interdição, o serviço chegou a atender cerca de 500 pessoas por dia.

Em nota a assessoria de comunicação da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra) disse que já está em contato com a Marinha para liberação da balsa. Segundo o órgão uma equipe foi até a região para realizar os procedimentos técnicos necessários.

O post População fica ilhada em distrito do norte goiano apareceu primeiro em Jornal Opção.