Ministros visitarão Bolsonaro para tratar de Brumadinho, diz Mourão

Brumadinho: Ministros vão se reunir com Bolsonaro

Brumadinho: Ministros vão se reunir com Bolsonaro
Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress – 30.01.2019

O vice-presidente da República Hamilton Mourão afirmou nesta quarta-feira (30) que os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e de Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, deverão visitar o presidente Jair Bolsonaro em São Paulo nesta quinta (31) para tratar sobre o desastre ocorrido em Brumadinho (MG) após o rompimento de uma barragem da mineradora Vale.

LEIA TAMBÉM: Brumadinho: 67 dos 84 mortos já foram identificados

De acordo com Mourão, Bolsonaro já deixou a UTI. O vice afirmou que a conversa dos ministros deverá ser breve porque o presidente ainda se recupera da cirurgia a que foi submetido na segunda (28) para a retirada da bolsa de colostomia que estava usando desde que levou uma facada em um ato de campanha no ano passado. A reunião será realizada na sala preparada especialmente para Bolsonaro despachar no Hospital Albert Einstein.

O vice-presidente disse que ainda não conversou com Bolsonaro porque ele ainda não pode falar. “Mandei uma mensagem para ele com os últimos dados a respeito de Brumadinho e amanhã os três ministros que estão envolvidos mais com esse assunto devem ir para São Paulo para uma breve conversa com ele. Até porque a recomendação e os pedidos da família é de visitas só após segunda-feira”, comentou.

Nordeste

Mais cedo, Mourão se reuniu com Canuto na Vice-Presidência. De acordo com ele, o assunto da reunião foi a discussão sobre o que será apresentado para o próximo plano plurianual em relação ao desenvolvimento regional do Nordeste. “É algo que nos preocupa bastante”, disse.

undefined

undefined
R7

Moradores de São Cristóvão protestam contra falta de água no bairro

Moradores de São Cristóvão protestam contra falta de água no bairro

Os moradores do bairro de São Cristóvão, na região central da cidade, reclamam da falta de água. Em algumas ruas não há abastecimento por cerca de um mês. Os moradores alegam que a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro) afirma que a situação está normalizada no bairro, enquanto ainda enviam as contas com cobrança todos os meses.