UFU tem quase quatro mil diplomas aguardando retirada; mais antigo é de 1970 


Cursos de Ciências Biológicas, Ciências Econômicas e Psicologia estão entre os que tem menos diplomas retirados. Diplomas antigos ‘esquecidos’ na UFU já carregam marcas do tempo
Palmira Ribeiro/ G1
Anos de estudo e dedicação para o momento tão esperado: a retirada do diploma em um curso superior, mestrado ou doutorado. Esse não foi o objetivo de 3.614 formandos da Univerdade Federal de Uberlândia (UFU), que deixam o documento ‘esquecido’ no cofre da instituição por anos.
O diploma mais antigo deixado na universidade é de um bacharel em direito nascido em 1941 que formou em 1970. O pró-reitor de Graduação da UFU, Armindo Quillici Neto, conta que os três cursos com mais certificados para serem retirados são Direito, Ciências Biológicas e Ciências Econômicas.
“O diploma credenciada a pessoa para realização profissional dela. Em um país em que apenas 11% da população têm acesso ao ensino superior em instituição pública, o diploma representa o resultado de uma preparação, de um ensino superior que na minha opinião muda a visão de vida de uma pessoa”, declarou Armindo.
Cursos com maior quantidade de diplomas ‘esquecidos’
Cerca de 1.500 formam por semestre na UFU. O pró-reitor de graduação explica que a não retirada do diploma não gera custos financeiros para univerdade, pois o documento já é pago com antecedência.
“A pessoa geralmente não pega o diploma pois não precisa dele de imediato. Mas quando precisa corre pra buscar. A gente observa que aqueles que ingressam em concursos públicos, que exigem o documento no edital, são os mais interessados no certificado. Fora isso é menos usual a exigência do diploma no mercado de trabalho”, explicou Armindo.
A UFU iniciou as atividades nos anos de 1950 com o curso de Música (1957), a Faculdade de Direito (1959), a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (1960), a Faculdade de Ciências Econômicas (1963), a Faculdade Federal de Engenharia, esta pública (1965), e a Escola de Medicina (com início em 1968).
Desde 2013 a universidade oferta 32 unidades acadêmicas com 68 cursos de graduação, 37 programas de pós-graduação que oferecem 33 cursos de mestrado acadêmico, quatro cursos de mestrado profissional e 19 cursos de doutorado, atuando em diversos campi, distribuídos nas cidades de Uberlândia, Ituiutaba, Patos de Minas e Monte Carmelo.
Armindo Quillici Neto é pró-reitor de graduação da UFU
Palmira Ribeiro/ G1
Como retirar os diplomas ?
A constituição brasileira prevê que os diplomas de cursos superiores reconhecidos, quando registrados, têm validade nacional como prova da formação recebida por seu titular. Os documentos expedidos pelas universidades serão por elas próprias registrados e aqueles conferidos por instituições não universitárias serão registrados em universidades indicadas pelo Conselho Nacional de Educação.
Modelos de diploma da Universidade Federal de Uberlândia
Palmira Ribeiro/ G1
Na UFU os diplomas podem ser retirados no atendimento ao aluno, Bloco 1A, Campus Santa Mônica, no horário das 7h às 11h e das 13h às 17h. Não tem custo para a primeira via do documento. Já para segunda via é cobrado uma taxa de R$ 120.
Para retirar o diploma é necessária a apresentação da carteira de identidade original. Caso seja por procuração, apresentar a Carteira de Identidade original do procurador e anexar cópias das carteiras de identidade do titular e do procurador. Para mais informações os interessados podem ligar no (34) 3232-9329.
Posso deixar meu diploma ‘guardado’ na universidade ?
Após a formação, o aluno deve buscar o diploma junto a universidade. No entanto, a funcionária do setor de confecção dos documentos na UFU, Adriana Braga, conta que já passou por uma situação curiosa: um graduando em Odontologia queria deixar, por segurança, o diploma guardado na instituição. Veja relato no vídeo abaixo:
Curiosidade sobre diplomas esquecidos na UFU

Powered by WPeMatico

Agentes apreendem arma de fogo e munição dentro de cadeia em Trairi 


Também foram apreendidos celulares, munição e armas artesanais. Internos estavam armados com revólver e mais de 20 munições
Gore/Divulgação
Agentes penitenciários apreenderam uma arma de fogo e armas artesanais na cadeia de Trairi, no litoral cearense. Após a vistoria, sete presos que estavam no local foram transferidos para o presídio em Itaitinga, na Grande Fortaleza.
Com a apreensão do material e a remoção dos internos, agentes acreditam ter evitado um confronto entre membros de facções criminosas.
“Os internos estavam de posse de mais de 20 munições, o que certamente era suficiente para fazer um extermínio na cadeia, como já aconteceu esse ano no Ceará”, afirma um agente penitenciário.
Em 29 de janeiro, uma briga entre presos resultou em 10 mortes na cadeia pública de Itapajé. Um dos detentos estava com uma arma de fogo.
‘Movimentação suspeita’
A apreensão em Trairi ocorreu na madrugada de sábado (30), após uma “movimentação suspeita” do lado de fora da cadeia.
“Uma dupla estava rondando o local tarde da noite; quando foram observados pelos policiais, demonstraram nervosismo e saíram. Uma equipe desconfiou de que houve um rebolo [quando objetos como celulares e armas são arremessados sobre o muro para dentro de cadeias e presídios] e acionou uma vistoria”, diz o agente.
A arma estava escondida dentro do colchão de um dos internos.

Powered by WPeMatico