11 de outubro, quinta-feira


Bom dia! Aqui estão os principais assuntos para você começar o dia bem-informado. Eleições 2018: veja os números detalhados da primeira pesquisa com as intenções de voto para presidente no 2º turno. Na nova Câmara, menos votos. Levantamento do G1 mostra que 2/3 dos deputados federais reeleitos tiveram votação menor nesta eleição. Na véspera do feriado, veja o melhor momento para pegar a estrada. E os 50 carros mais esperados no Salão do Automóvel de SP. O que é notícia no G1:
Apoio no 2º turno
Mais partidos anunciam seus posicionamentos para o segundo turno
A Rede Sustentabilidade, partido da candidata derrotada à Presidência Marina Silva, anunciou nesta madrugada a recomendação aos filiados de não votar em Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno. Mas também anunciou que não irá apoiar Fernando Haddad (PT).
Violência na campanha
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad
Paulo Whitaker/Reuters e Amanda Perobelli/Reuters
Os dois candidatos à Presidência da República que vão disputar o 2º turno, Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, falaram sobre agressões na campanha eleitoral. Ambos fizeram apelos contra a violência.
Datafolha
Datafolha divulga primeira pesquisa para o segundo turno das eleições presidenciais
O Datafolha divulgou o resultado da primeira pesquisa do instituto sobre o segundo turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado ontem, e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos. Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:
Jair Bolsonaro (PSL): 58%
Fernando Haddad (PT): 42%
Veja hoje o resultado da pesquisa Datafolha de 10 de outubro para presidente por sexo, idade, escolaridade, renda, região, religião e cor.
Câmara dos deputados
Eleições 2018
Arte/G1
Levantamento feito pelo G1 mostra que 159 dos 240 deputados federais reeleitos neste ano – o equivalente a 66% – tiveram um desempenho nas urnas pior que nas eleições de 2014. Isso significa, portanto, que dois a cada três deputados tiveram menos votos, apesar de terem renovado o mandato na Câmara dos Deputados.
Zíbia Gasparetto
Zibia Gasparetto tinha 92 anos
Reprodução/Facebook/Zibia Gasparetto
A escritora espiritualista Zíbia Gasparetto morreu no final de ontem, em sua casa, no Ipiranga, Zona Sul de São Paulo. Segundo amigos da família, Zíbia lutava desde o início do ano contra um câncer no pâncreas. Ela morreu dormindo. O corpo será velado hoje, a partir das 10h, no Cemitério de Congonhas.
Feriado
Mais de 1,8 milhão de veículos devem deixar SP neste feriado; veja horários para pegar estrada. No Rio, 745 mil veículos devem passar pela Ponte Rio-Niterói.
Veja o que abre e fecha no feriado de 12 de outubro em São Paulo
Veja o que abre e o que fecha nos feriados de Nossa Senhora Aparecida e do Comerciário no Rio
Salão do Autóvel de SP
Carros que devem ser destaques do Salão do Automóvel de 2018
Divulgação
Falta menos de um mês para o início do Salão do Automóvel de São Paulo. O evento abrirá as portas no próximo dia 8, no São Paulo Expo. A mostra deste ano será palco para muitas e grandes novidades para o mercado brasileiro e deverá ser o “salão da retomada”, com os números de vendas e produção em alta nos últimos 2 anos, cenário bem diferente do visto na edição anterior, em 2016. Para adiantar o que você poderá encontrar por lá, o G1 listou mais de 50 carros esperados para o Salão. Ao todo, 29 marcas estarão no evento. Peugeot, Citroën, Jaguar e Land Rover decidiram não participar.Salão do Automóvel 2018: veja mais de 50 carros esperados para o evento
Curtas e Rápidas:
Vídeo: ‘Nasce um estrela’, ‘Tudo por um popstar’ e ‘Goosebumps’ são os novos filmes em cartaz
Milícia esperou eleição passar para invadir favela e não prejudicar seus candidatos, diz promotor
BGS 2018: Veja principais convidados e games da feira, que começa nesta quinta-feira
Doulas da morte: como é o trabalho de quem acompanha o fim da vida
SP Oktoberfest volta nesta quinta e termina no domingo no Anhembi
Boletos a partir de R$ 100 poderão ser pagos em qualquer banco
Previsão do tempo
Previsão do tempo com Maria Júlia Coutinho.
Veja a previsão do tempo por regiões
Hoje é dia de…
Dia Nacional de Prevenção da Obesidade

Partido de Marina Silva, Rede decide recomendar a filiados ‘nenhum voto’ em Bolsonaro


Após reunião da Executiva, partido divulgou nota na qual diz não apoiar nenhum candidato, mas, em razão de ‘ameaças’ à democracia recomenda a filiados não votarem em Jair Bolsonaro. A candidata Marina Silva ao votar em Rio Branco (AC) no último domingo
Iriá Rodrigues / G1
A Rede Sustentabilidade, partido da candidata derrotada à Presidência Marina Silva, anunciou na madrugada desta quinta-feira (11) a recomendação aos filiados de não votar em Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno a ser disputado entre ele e Fernando Haddad (PT).
Em nota, divulgada após reunião da Comissão Executiva Nacional, o partido critica o “projeto de poder” e a “corrupção sistemática” do PT, diz que não apoiará a candidatura Haddad e que será oposição ao futuro governo, seja qual for o vencedor da eleição.
Mas ressalva que, frente às “ameaças imediatas e urgentes à democracia”, recomenda a filiados e simpatizantes que não destinem “nenhum voto” a Bolsonaro e que escolham no segundo turno, “de acordo com sua consciência, votar da forma que considerem melhor para o país”.
“Os dois postulantes no segundo turno representam projetos de poder prejudiciais ao país, atrasados do ponto de vista da concepção de desenvolvimento, autoritários em relação ao papel das instituições de Estado, retrógrados quanto à visão do sistema político e questionáveis do ponto de vista ético”, afirma o texto da nota, assinado pela Executiva da legenda.
No começo da campanha, Marina Silva chegou a aparecer em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, mas caiu gradativamente e terminou o primeiro turno em oitavo, com pouco mais de 1 milhão de votos – na eleição de 2014, ela ficou em terceiro lugar, com 22 milhões de votos.
Nota
Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela Executiva da Rede
Nota da Rede Sustentabilidade sobre o segundo turno
Nestas eleições, a Rede Sustentabilidade apresentou à sociedade brasileira um projeto alternativo à polarização. Frente ao ódio e à mentira, oferecemos a face da verdade e da união em prol de um Brasil mais próspero, justo e sustentável. Infelizmente, os dois postulantes no segundo turno representam projetos de poder prejudiciais ao país, atrasados do ponto de vista da concepção de desenvolvimento, autoritários em relação ao papel das instituições de Estado, retrógrados quanto à visão do sistema político e questionáveis do ponto de vista ético.
A Rede não se alinha e não apoia nenhum deles. A corrupção sistemática revelada pela Operação Lava Jato foi uma marca dos governos petistas, assim como de boa parcela dos parlamentares que agora estão com o Bolsonaro. Os dirigentes petistas construíram um projeto de poder pelo poder pouco afeito à alternância democrática.
Por outro lado, é impossível ignorar que o projeto de Bolsonaro, conforme tem sido reiteradamente afirmado, representa um retrocesso brutal e inadmissível em três pontos muito caros aos princípios e propósitos da Rede. Primeiro, promete desmontar inteiramente a estrutura de proteção ambiental existente no país, conquistada ao longo de décadas, por gerações de ambientalistas. Chega ao absurdo de anunciar a incorporação do Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura. Com isso, atenta contra o interesse da sociedade brasileira e destrói pilares fundamentais para o futuro do país. Além disso, ataca os direitos das comunidades indígenas e quilombolas, anunciando que não será demarcado mais um centímetro de suas terras. Segundo, é um projeto que despreza direitos humanos e a diversidade existente na sociedade, promovendo a incitação sistemática ao ódio, à violência e à discriminação. Por fim, é um projeto que ameaça a democracia e põe em cheque as conquistas históricas desde a Constituinte de 1988.
Dessa forma, a Rede Sustentabilidade declara publicamente que:
1. Será oposição democrática ao governo de qualquer dos candidatos que saia vencedor do embate a que se reduziu essa eleição.
2. Não tem ilusões quanto às práticas condenáveis do PT, dentro e fora do governo. No entanto, frente às ameaças imediatas e urgentes à democracia, aos grupos vulneráveis, aos direitos humanos e ao meio ambiente, a Rede Sustentabilidade recomenda que seus filiados e simpatizantes não destinem nenhum voto ao candidato Jair Bolsonaro e, isso posto, escolham de acordo com sua consciência votar da forma que considerem melhor para o país.
10 de outubro de 2018,
Executiva Nacional da REDE Sustentabilidade