Retirada de lixo hospitalar encontrado em galpão só deve terminar na próxima semana


Quase 200 toneladas de lixo foram encontradas em Araguaína, norte do Tocantins. Especialista alerta para o risco de contaminação do meio ambiente e transmissão de doenças. Lixo encontrado em galpão há uma semana ainda não foi totalmente retirado
Uma semana depois de fiscais encontrarem um galpão com quase 200 toneladas de lixo hospitalar irregular, menos da metade dos resíduos foi retirada do local. O material foi localizado dentro do Distrito Agroindustrial de Araguaína e está sendo coletado por uma empresa contratada pela prefeitura. (Veja vídeo)
De acordo com especialistas, quanto mais tempo o lixo fica exposto sem destinação adequada maiores são as chances de contaminação e de contato com vetores. É o que explica o engenheiro ambiental João Guilherme.
“Nós temos ali uma diversidade de resíduos. Temos resíduos contaminados com sangue, pode ter bolsas de transfusão, bolsas de sangue, seringas, restos de remédios. Todos esses materiais podem causar algum vazamento, contaminar o solo e posteriormente o lençol freático. Sem falar dos vetores: moscas, ratos, baratas, pássaros que podem entrar no local e posteriormente entrar em contato com população e transmitir doenças.”
Os operários que estão trabalhando no local precisam utilizar vários equipamentos de segurança. O trabalho de retirada do lixo só deve ser concluído na próxima semana. Os danos ambientais e o tamanho da contaminação devem ser analisados após o serviço.
“Com certeza há um dano ambiental. Existe legislação própria para armazenar esse tipo de resíduo e posterior destinação final. O que deve ser feito é a análise do solo e do lençol freático para ver se efetivamente aconteceu esse tipo de poluição no local”, explica o engenheiro.
Lixo hospitalar é retirado de galpão por empresa contratada pela prefeitura
Reprodução/TV Anhanguera
Investigação
A polêmica envolvendo o lixo hospitalar começou na semana passada, quando um galpão foi encontrado com quase 200 toneladas de lixo hospitalar armazenado de maneira irregular. No galpão deveriam funcionar duas empresas cadastradas no nome do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB), filho de João Olinto.
Na segunda-feira (12) um caminhão com lixo hospitalar foi encontrado dentro do terreno do hotel de João Olinto Garcia de Oliveira. O veículo estava no nome da empresa Agromaster S/A, também registrada no nome do deputado estadual.
A empresa responsável por deixar o lixo no local foi a Sancil Sanantonio Construtora e Incorporadora LTDA. A empresa foi ligada ao ex-juiz eleitoral João Olinto. Ele e duas sócias da firma tiveram as prisões decretadas. Em um vídeo, o homem aparece tentando impedir a entrada dos fiscais no local.
Suspensão do contato
Conforme a Polícia Civil, o lixo encontrado no galpão saiu do Hospital Regional de Araguaína e de outros hospitais estaduais. Após o escândalo, o secretário de Saúde do Tocantins, Renato Jayme, reconheceu que a empresa não tinha capacidade técnica para o trabalho.
O Estado suspendeu o contrato com a Sancil e chamou outra empresa para recolher o lixo dos hospitais em caráter emergencial. Apesar dos danos ambientais e da contratação de uma empresa, pela Prefeitura de Araguaína, para retirar o lixo do galpão irregular, segundo o secretário não houve prejuízos pros cofres públicos.
Veja mais notícias da região do G1 Tocantins.