Nova UPA em Pouso Alegre deve desafogar atendimentos no Hospital Samuel Libânio


Unidade deve atender 300 pacientes por dia. Ordem de serviço para início das obras já foi assinada. Nova UPA em Pouso Alegre deve desafogar atendimentos no Hospital Samuel Libânio
A ordem de serviço para o início das obras de construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Pouso Alegre (MG) foi assinada pela administração municipal. Com o investimento de quase R$ 4 milhões, a intenção do setor de saúde é desafogar os atendimentos no Hospital das Clínicas Samuel Libânio, que hoje é responsável pelo pronto-socorro.
A nova UPA será construída no local antes usado como campo de futebol. A capacidade de atendimento será de 300 pacientes por dia.
A ideia é que a demanda seja suprida na nova unidade e diminua os atendimentos no Samuel Libânio, que em 2018 chegaram a 90 mil. Destes pacientes, pelo menos 376 eram de emergência e 9943 eram de casos urgentes. A maioria dos procedimentos no hospital é de casos sem urgência.
Nova UPA deve desafogar atendimentos no Hospital Samuel Libânio em Pouso Alegre (MG)
Reprodução/EPTV
“O hospital vai atender apenas os pacientes em situação de emergência. Hoje, corresponde a 60% dos atendimentos dos pacientes de Pouso Alegre. A diminuição vai trazer melhora na qualidade da assistência”, pontuou a diretora administrativa do hospital, Jusselma Reis.
Como será a UPA
Segundo a secretaria de saúde de Pouso Alegre, a UPA terá porte dois, com pouco mais de mil metros quadrados de área construída. “Ela segue todas as normas e padrões do Ministério da Saúde. Primeiro, os pacientes passam pela UPA e o hospital atende aqueles casos mais graves, que são o seu objetivo”, explicou a secretária Silvia Regina Pereira da Silva.
A unidade, como as outras pelo país, faz parte da chamada rede de atenção às urgências. Ela será articulada com a atenção básica do município, com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), com a atenção domiciliar e atenção hospital.
UPA de Pouso Alegre (MG) deve facilitar chegada a dignóstico de pacientes, com atendimento específico
Reprodução/EPTV
“A grande diferença da UPA é na capacidade diagnóstica do paciente, então nós vamos subir o nível do nosso pronto-atendimento. Ela vai ter capacidade para fazer exames de laboratório, exames de imagem, pra que a gente não precise encaminhar todo caso para o hospital de referência”, afirmou o diretor técnico do pronto atendimento Alexandre Santana de Rezende.
A previsão é que as obras sejam concluídas em dois anos.
Veja mais notícias da região no G1 Sul de Minas

Navios da Marinha atracam em Santarém durante operação de inspeção naval e treinamento


A ‘PatNav Amazonas/AdeComte’ foi realizada no trecho entre as cidades de Manaus (AM) e Santarém (PA). Navios ficaram atracados no novo Terminal Hidroviário de Santarém e na Companhia Docas do Pará (CDP)
Marinha do Brasil/Divulgação
Os Navios-Patrulha Fluviais (NPaFlu) “Raposo Tavares” e “Rondônia”, e o Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) “Soares de Meirelles”, subordinados ao Comando da Flotilha do Amazonas, visitaram o município de Santarém, no oeste do Pará, de 18 a 21 de janeiro, na 1ª Fase da Operação “PatNav Amazonas/AdeComte”.
A operação é realizada com o propósito de treinas os futuros comandantes, bem como para intensificar ações de Patrulha Naval (PatNav) e Inspeção Naval (IN) em áreas de interesse para a Marinha do Brasil, a fim de evitar a prática de ilícitos, além de zelar pela segurança da navegação, salvaguarda da vida humana no mar e prevenção da poluição hídrica.
Aeronave realizando exercício de transporte de carga com o Navio-Patrulha Fluvial Raposo Tavares nos rios da Amazônia
Marinha do Brasil/Divulgação
Segundo o comandante do Navio-Patrulha Fluvial Raposo Tavares, capitão de corveta Rodrigo Garcia, mais antigo dos comandantes dos navios que visitaram a cidade, é sempre uma satisfação visitar Santarém, que ele considera uma cidade acolhedora e bela.
A área de operações está compreendida entre as cidades de Manaus (AM) e Santarém (PA) no rio amazonas. Uma aeronave do 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral e um Destacamento de Fuzileiros Navais do 1º Batalhão de Operações Ribeirinhas também participam da operação, com exercício de transferência e transporte de carga por meio da aeronave embarcada. O NAsH Soares de Meirelles realizou diversos atendimentos nas comunidades ribeirinhas ao longo do trecho navegado.
Navio de Assistência Hospitalar Soares de Meirelles realizou atendimentos médicos e odontológicos nas comunidades localizadas na calha Norte do Rio Amazonas
Marinha do Brasil/Divulgação
Na manhã de segunda-feira (21), o capitão dos Portos de Santarém, comandante Robson Ferreira, esteve nos navios para se despedir dos comandantes que regressaram para Manaus. Na ocasião, ressaltou a importância de Santarém sempre receber os navios que são a razão de ser da Marinha do Brasil, bem como destacar a importante missão dos mesmos para o Brasil.
Outro motivo de alegria para o capitão dos Portos foi de rever o mesmo navio, que já tinha servido anteriormente e que o trouxe pela primeira vez à cidade de Santarém, há 16 anos, o Navio-Patrulha Fluvial Raposo Tavares.
Comandantes dos Navios que passam e assumem o Comando e ao centro o Capitão dos Portos de Santarém, Robson Ferreira
CFS/Divulgação