Demanda por voos domésticos no Brasil sobe 1,91% em março, diz Anac

SÃO PAULO (Reuters) – A demanda por voos domésticos no Brasil subiu 1,91 por cento em março ante mesmo mês de 2017 e fechou o primeiro trimestre com alta acumulada de 3,4 por cento na comparação anual, afirmou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) nesta quinta-feira.

A oferta de assentos pelas companhias aéreas subiu 0,5 por cento em março e 2,2 por cento no trimestre.

A taxa de ocupação nos voos domésticos foi de 80,1 por cento em março, melhor resultado para o mês da série histórica, que começou em 2000. No trimestre, a taxa de aproveitamento foi de 81,9 por cento.

De janeiro a março, foram transportados 23 milhões de passageiros pagos em voos domésticos, alta de 2,2 por cento contra um ano antes. Em março as companhias transportaram 7,5 milhões de passageiros pagos, 0,5 por cento maior do que no mesmo mês de 2017.

A Gol liderou a participação de mercado no trimestre, com 36,2 por cento da demanda por voos domésticos. Na sequência vieram Latam (31,7 por cento), Azul (18,1 por cento) e Avianca Brasil (13,6 por cento).

None

MERCADO INTERNACIONAL

A demanda internacional das empresas brasileiras em março subiu 15,6 por cento na comparação anual, enquanto a oferta avançou 18,3 por cento na mesma base de comparação.

De janeiro a março, a demanda cresceu 16,2 por cento, enquanto a oferta aumentou 18,8 por cento na comparação anual.

Foram transportados 2,5 milhões de passageiros pagos em voos internacionais no primeiro trimestre. Em março foram 779 mil passageiros transportados, alta de 16,3 por cento ano a ano.

A taxa de aproveitamento de assentos nos voos internacionais em março foi de 82,1 por cento, queda de 2,3 pontos percentuais ante igual mês de 2017. No trimestre, a taxa de ocupação foi de 83,6 por cento, abaixo dos 85,5 por cento um ano antes.

A participação de mercado na demanda por voos internacionais no acumulado de janeiro a março teve Latam na liderança, com 67,6 por cento, seguida por Azul (14,4 por cento), Gol (12,2 por cento) e Avianca (5,8 por cento).

None

(Por Flavia Bohone)

Powered by WPeMatico

DowDuPont tem lucro acima do esperado no 1º tri com alta na demanda

(Reuters) – A DowDuPont teve lucro acima do esperado para o primeiro trimestre, apoiada em preços melhores por seus produtos e demanda maior por embalagens, tintas e outros materiais que compensaram fraqueza no segmento agrícola, mostraram dados divulgados nesta quinta-feira.

A fabricante de produtos químicos, formada pela fusão da Dow Chemical com a DuPont no ano passado, teve vendas líquidas de 21,5 bilhões de dólares no trimestre, ante nível proforma de 20,5 bilhões de dólares um ano antes.

O lucro ajustado subiu 7 por cento, para 1,12 dólar por ação, acima da expectativa média de analistas de 1,10 dólar, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.

As divisões de Ciência dos Materiais e Produtos Especiais proporcionaram um crescimento melhor do que o esperado em termos de receita e lucro, com preços mais altos e maiores volumes”, afirmou o presidente-executivo da empresa, Ed Breen, em comunicado.

A gigante dos produtos químicos afirmou que o volume de vendas totais caíram 2 por cento, mas os preços subiram 3 por cento em bases comparáveis.

A divisão de ciência de materiais, que fabrica produtos usados em tudo desde cosméticos a fluido de freio, teve crescimento de 17 por cento nas vendas, com crescimento de 8 por cento nos volumes.

Na unidade de especialidades químicas, que fabrica produtos usados em materiais de construção, semicondutores e chips usados em celulares, teve alta de 11 por cento nas vendas. A performance das duas divisões compensou a queda de 25 por cento no segmento agrícola do conglomerado norte-americano.

(Por Nivedita Bhattacharjee)

Powered by WPeMatico