MG Cultura ajuda a programar a diversão do fim de semana em Belo Horizonte; confira

Belo Horizonte tem shows, concerto, espetáculos de teatro e atrações de graça. Festival de Teatro em Miniatura traz dezenas de peças de graça para BH
Cante e dance com o MG Cultura neste fim de semana! A programação tem shows, concerto e espetáculos de teatro, sem contar as atrações de graça. Veja o que vai agitar Belo Horizonte no fim de semana:
Show
RICHARD BONA
Sexta, 21h
Sesc Palladium
Classificação livre
FLAMING BOYS E TIANASTÁCIA
Sábado e domingo, a partir das 12h
Estacionamento do Mineirão
Classificação: 18 anos
ROBERTA CAMPOS
Sábado, 21h
Teatro do Minas Tênis Clube
Classificação livre
BETH LEIVAS
Domingo, 20h
Cine Theatro Brasil
Classificação livre
Concerto
ORQUESTRA SESIMINAS
Sexta, 20h
Teatro Sesiminas
Classificação livre
FILARMÔNICA
Sábado, 18h
Sala Minas Gerais
Classificação: 8 anos
Dança
CIA SESC DE DANÇA
Sábado, 20h
Domingo, 19h
Sesc Palladium
Classificação: 10 anos
Musical
JOSEPHINE BAKER
Sábado, 21h
Domingo, 19h
Cine Theatro Brasil
Classificação: 12 anos
Teatro
FESTIVAL DE CENAS CURTAS
Sexta e sábado, 21h
Domingo, a partir das 15h30
Galpão Cine Horto
Classificação: 18 anos
Infantil
BRANCA DE NEVE
Sábado, 16h
Teatro Santo Agostinho
Classificação livre
PARACHICOS
Domingo, 16h
Teatro Santo Agostinho
Classificação livre
De graça
ABRE A RODA – MULHERES NO CHORO
Sexta, 18h30
Mercado Central
Classificação livre
ANJOS
Sexta, 19h30
Teatro Marília
Classificação: 14 anos
UMA LUZ NO CORAÇÃO
Sábado, 17h30
Colégio Estadual Central
Rua Fernandes Tourinho, 1020 – Lourdes
Classificação livre
MOSTRA DE DANÇA COMPETITIVA
Sábado, 20h
Domingo, 19h
Teatro Marília
OLIVIER BAUMONT
Sábado, 20h
Fundação de Educação Artística
Classificação livre

Expedição encontra recifes de corais ameaçados de extinção em Alagoas


Série de reportagens mostra a APA Costa dos Corais, maior unidade de conservação federal costeiro-marinha do Brasil. Expedição encontra recifes de corais ameaçados de extinção em APA de Alagoas
Uma expedição realizada por pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) percorreu a maior unidade de conservação federal costeiro-marinha do Brasil, a Área de Proteção Ambiental (APA) Costa dos Corais e encontrou muitas preciosidades no fundo do mar.
Em Ipioca, no Litoral Norte de Maceió, pesquisadores desceram 30 metros de profundidade e encontraram os recifes de corais mais conservados da APA.
Há 95 quilômetros dali, em Japaratinga, existem espécies ameaçadas de extinção em volume gigantesco como essa coleção de recifes de corais do tipo cérebro. Usando trenas subaquáticas foi possível precisar a extensão do coral.
“O que chamou atenção pra gente foi a quantidade de indivíduos, esse geralmente é um coral que forma áreas pequenas, de 50 centímetros, um metro quadrado no máximo, e a gente encontrou praticamente um quilômetro de extensão coberto por esse coral. Talvez a área mais extensa já documentada até hoje. As expedições têm trazido pra gente um panorama novo da APA Costa dos Corais e descobrindo várias oportunidades aí de conservação que a gente ainda têm do ecossistema”, informou o biólogo do ICMBio, Pedro Pereira.
A Costa dos Corais se estende por cerca de 30 quilômetros mar adentro e pode alcançar até 80 metros de profundidade. Nessa expedição, os biólogos exploraram 200 pontos estratégicos. Em 9 meses de monitoramento, 150 mergulhos, mais de 30 reuniões com as comunidades e histórias de transformação contadas pelos pescadores.
“Isso aqui de primeiro era muito fundo. Aqui meu pai pescou muito e disse que era fundo direto aqui e hoje em dia tá raso demais. Com tudo assim, a gente pesca, vem, sobe todo mundo pra pescar, todo mundo desce”, observou o pescador Ivanildo da Silva.
Tudo que é observado e avaliado pelos mergulhadores em horas de trabalho no fundo do mar segue agora para uma próxima etapa. As informações vão para um banco de dados que vai compor a revisão do plano de manejo da APA Costa dos Corais, que nada mais é do que um regimento com normas e diretrizes pra conservação da área de proteção ambiental.
O plano de manejo da APA foi aprovado em 2013 e com a atualização será possível criar um novo ordenamento, inclusive para as piscinas naturais. Em Paripueira, elas estão a 2,5 km da costa, e representam bem o nome do município, que em tupi significa: “águas mansas”.
Se o controle já é bem rigoroso, com o plano de manejo revisado será possível ampliar o zoneamento que já existe na APA, mas não antes de consultar as comunidades.
Mergulhadores exploram APA Costa dos Corais, em Alagoas
Reprodução/TV Gazeta
“Pra cada município existe uma proposta diferente. Então num município específico vai ser criada duas zonas de preservação. Por exemplo, vai ser criada só uma, qual o tamanho dela? Quantas áreas de visitação vão existir? Então, esse protocolo ele não é engessado, cada município vai realizar um processo de zoneamento diferente”, explicou Pereira.
A longo prazo, serão mudanças também na qualidade de vida das milhares de pessoas que tiram o sustento da APA.
“Tem que preservar porque preservando, mais pra frente o peixe cresce e a gente tem como pegar ele e manter nossa família, né? Se num preservar, vai acabar tudo e a gente não tem como pegar um peixe”, disse o pescador Miro Timóteo.
“A gente espera continuar o monitoramento, por exemplo, daqui cinco anos ver que a população de coral tá crescendo, a população dos peixes tá se restabelecendo, a pesca tá sendo garantida. a mudança no ecossistema ela é um mudança normalmente lenta e gradual, então a gente tá plantando agora pra colher daqui a pouco”, comentou o biólogo.
Recifes corais ameaçados de extinção são encontrados em APA Costa dos Corais, Alagoas
Reprodução/TV Gazeta
Expedição explora APA Costa dos Corais, em Alagoas, e e encontra recife de corais ameaçados de extinção
Reprodução/TV Gazeta
Veja mais notícias da região no G1 Alagoas