Justiça condena a 60 anos de prisão mandante da chacina que deixou quatro mortos no Pará

Crime ocorreu em Ourilândia do Norte, em outubro de 2015. Um fazendeiro, um veterinário da Adepará e dois funcionários foram assassinados. Mandante da morte de quatro pessoas em Ourilândia do Norte é condenado a 60 anos de prisão
José Vieira de Mattos foi condenado no Fórum Criminal de Marabá a 60 anos de prisão por envolvimento na chacina que deixou pessoas mortas na fazenda Alana em Ourilândia do Norte, no sudeste do Pará.
O crime ocorreu em outubro de 2015, quando os criminosos realizaram uma emboscada para tentar matar o dono da fazenda Jadson Michel Pesconi, que era filho de um ex-prefeito do município. Também foram assassinados dois funcionários da fazenda e um veterinário. Cinco pessoas foram presas.
O julgamento durou quase 15 horas. O júri entendeu que o réu teve participação decisiva, na condição de mandante.
A pena deve ser cumprida em regime inicialmente fechado. Dois réus foram absolvidos e outros dois, acusados de participação no crime, ainda serão julgados.
A chacina
Segundo a polícia, testemunhas contaram que os pistoleiros entraram na propriedade e renderam as vítimas. Jadson Michel Pesconi, proprietário da fazenda, era alvo dos acusados. O objetivo era sequestrá-lo, pois ele receberia a quantia de R$ 1 milhão referente a um financiamento bancário. A vítima descobriu que seria sequestrada e foi até um dos mentores do crime, com quem teve uma discussão. Jadson foi atraído até a fazenda Alana por causa de dois animais supostamente doentes.
Por causa disso, levou o veterinário da Adepará, Manoel de Paulo Ribeiro Filho, de 41 anos. No local já estavam Samuel Santos Oliveira, de 35 anos, e Josué Francisco Assis Souza, de 38 anos, funcionários da fazenda, que também foram mortos. Eles foram executados após a tentativa de sequestro dar errado, quando o veterinário tentou reagir à abordagem dos criminosos.
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do G1 Pará no (91) 98814-3326