Sandra Belê afirma o próprio lugar ao se voltar para a Paraíba natal no álbum ‘Cantos de cá’


Artista lança disco que, entre ardências e lirismos, oferece bela visão contemporânea da música produzida por compositores da região. Capa do álbum ‘Cantos de cá’, de Sandra Belê
Divulgação
Resenha de álbum
Título: Cantos de cá
Artista: Sandra Belê
Gravadora: Edição independente da artista
Cotação: * * * *
♪ “Canto e afirmo meu lugar / Em todo lugar sou eu / Vou seguindo e cumprindo / A missão que Deus me deu”. Ouvidos na voz de Sandra Belê, na interpretação a capella da música que abre o quinto álbum da artista paraibana, os versos de Para agradecer (Regina Limeira) são a senha para o entendimento do ainda inédito disco Cantos de cá.
Após temporada em São Paulo (SP), Sandra Belê retorna literal e musicalmente para o estado natal, se voltando para os sons e compositores da Paraíba em álbum que será lançado neste segundo semestre de 2020 por vias independentes.
Sandra Belê é o nome artístico de Elisandra Romeira da Silva, cantora e compositora nascida há 40 anos no cariri paraibano, mais precisamente na interiorana cidade de Zabelê (PB), onde veio ao mundo em março de 1980.
Como observa Chico César – talento paraibano gerado em Catolé do Rocha (PB) – no texto em que apresenta o álbum Cantos de cá, Sandra Belê traz a cidade natal de Zabelê entranhada no nome artístico.
É com essa vivência paraibana que a cantora dá voz no disco a músicas como Mugido do tempo (Junior Cordeiro) – um “gemido aboiador”, como bem caracteriza verso dessa composição gravada com alfaia, reco-reco e caxixis percutidos por Escurinho – e Onça caetana (Glória Gadelha e Afonso Gadelha, 1983), cujo rugido foi ouvido pela primeira vez em disco na voz arretada da cantora Marinês (1935 – 2007).
Na sequência das 13 músicas do álbum Cantos de cá, o coco Terabeat (Tiago Moura) evidencia o tom contemporâneo – mas jamais modernoso – do disco em faixa gravada com a voz rústica de Vô Mera e com arranjo que harmoniza o pife de Renato Oliveira com a guitarra de Léo Meira.
Sandra Belê canta a aridez existencial em ‘Escombros’, uma das 13 músicas do álbum ‘Cantos de cá’
Asley Ravel / Divulgação
Por mais que acuse em verso de Terabeat “a lonjura das capitais”, Cantos de cá não deve ser percebido como álbum “regionalista” porque tal entendimento avalizaria o etnocentrismo carioca e paulista no mapa musical do Brasil.
A incandescente pulsação do registro de Mangará (Jonathas Pereira Falcão) situa o álbum de Sandra Belê em zona de modernidade no frenesi do arranjo que integra piano, sanfona, guitarra, zabumba e baixo.
Em cadência que conjuga células rítmicas de baião, samba e xote, Lado de cá da janela – outra música de Jonathas Pereira Falcão, compositor paraibano que vem emergindo na cena musical brasileira – deixa vislumbrar paisagem natural povoada por bichos e poesia contemporânea.
Introduzida pela aridez do toque do baixo acústico de Rainere Travassos, Escombros (Melchior Sezefredo e Roberto Cajá) desenha cenário marcado pela secura existencial.
“Mande as flores para mim”, pede Belê na lírica poética de Cadê as flores?, parceria de Chico César com Escurinho que retrata um Nordeste embelezado com jardins literários – o que justifica a participação da escritora Maria Valéria Rezende, declamando breve texto na faixa.
À deriva, composição de Pedro Medeiros, repõe o álbum Cantos de cá em solo abrasado, mas, na sequência, Sandra Belê distribui os versos de Poema ao sol (Chico Lino Filho e Adeildo Vieira) em temperatura adequadamente amena, ao som solitário do violão de Cledinaldo Júnior.
Primeiro álbum da artista desde Encarnado azul (2011), lançado há nove anos, Cantos de cá se equilibra bem entre faixas mais líricas e temas mais ardentes.
Nesse mosaico, a canção Relicário reitera a inspiração melódica e poética de Flavia Wenceslau, compositora que, embora radicada na Bahia, nasceu na Paraíba e vem se destacando com músicas que geralmente versam sobre o caminhar do Homem na estrada da vida – caso de Relicário.
Símbolo da festiva alegria nordestina, Brincadeira (Chico Limeira) acende a fogueira e levanta o barro do chão em baião junino. No fim do disco, Sandra Belê volta ao começo de Cantos de cá e reprisa os versos da canção Para agradecer (Regina Limeira), desta vez com acordeom, viola e percussões.
Na reprise que arremata o álbum, Para agradecer soa como reverência da cantora aos artistas da região que desbravaram caminhos na Paraíba para que Sandra Belê possa, em 2020, afirmar o próprio lugar nobre nessa cena impregnada de vasta riqueza musical.

Please enter banners and links.

Zoológico da Sibéria registra o nascimento 16 filhotes de felino raro


Felino originário do sul da Sibéria e da Ásia central é uma das espécies ameaçadas de extinção. Instituição trabalha para preservação desses gatos há mais de 20 anos. Zoológico da Sibéria tem novos moradores: 16 gatos-de-pallas, também conhecido como manul
Reprodução/Facebook/Parque Zoológico de Novosibirsk
O Parque Zoológico de Novosibirsk anunciou em sua conta na rede social VKontakte o nascimento de, pelo menos, 16 gatos-de-pallas também conhecido como manul.
Dois raros lêmures-vermelhos nascem no zoológico de Singapura
Gato selvagem hitou após ficar ‘desconfiado’ com câmera em zoo
“No Zoológico de Novosibirsk, três gatos-de-pallas deram à luz. Agora, temos um total de 16 filhotes: uma fêmea teve três filhotes; outra, teve cinco; e a terceira, oito”, anunciou, em um comunicado, a instituição siberiana.
O felino, originário das estepes e montanhas do sul da Sibéria e da Ásia central, é uma das espécies ameaçadas de extinção incluídas no Livro Vermelho de Espécies Ameaçadas da Rússia.
Zoológico da Sibéria tem novos moradores: 16 gatos-de-pallas, também conhecido como manul
Reprodução/Facebook/Parque Zoológico de Novosibirsk
De acordo com a Sociedade Geográfica Russa, no início dos anos 2000, o país possuía apenas entre 3 mil e 3,6 mil exemplares da espécie.
Vítima de vários fenômenos, o gato-de-pallas praticamente desapareceu das estepes nos últimos 20 anos. Em primeiro lugar, é particularmente vulnerável à caça furtiva, pois, em vez de fugir do perigo, congela instantaneamente diante da ameaça, facilitando o trabalho da presa.
Zoológico da Sibéria tem novos moradores: 16 gatos-de-pallas, também conhecido como manul
Reprodução/Facebook/Parque Zoológico de Novosibirsk
Além disso, é frequentemente atropelado por veículos; outra causa comum de morte desses animais é por envenenamento, depois de consumirem roedores que, por sua vez, foram contaminados por produtos químicos.
O Zoológico de Novosibirsk, um dos maiores da Rússia, virou praticamente uma reserva para preservação da espécie. Em mais de 20 anos, trouxe ao mundo 64 gatos-de-pallas, que mais tarde foram enviados para parques mundo afora.

Please enter banners and links.