Corpo de José Mojica Marins, o Zé do Caixão, é velado no Museu da Imagem e do Som, em SP


Cerimônia de despedida do cineasta acontece no auditório do Museu da Imagem e do Som (MIS) desde às 16h. Mestre do terror brasileiro dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes nacionais. Zé do Caixão em retrato feito em 2004
Hélvio Romero/Estadão Conteúdo
O corpo do ator, diretor e roteirista José Mojica Marins, conhecido pelo personagem Zé do Caixão, está sendo velado na tarde desta nesta quinta-feira (20) no Museu da Imagem e do Som, nos Jardins, área nobre de São Paulo.
Os portões do espaço foram abertos às 16h apenas para familiares e amigos. Fãs ainda aguardam para prestar as últimas homenagens ao cineasta, que era um dos maiores ícones do cinema brasileiro.
Veja fotos do velório
O corpo de Zé do Caixão será enterrado no Cemitério São Paulo, às 12h desta sexta-feira (21). A morte dele foi confirmada pela filha, a atriz Liz Marins, nesta quarta-feira (19). Ele morreu às 15h46, no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo.
O cineasta estava internado desde o dia 28 de janeiro para tratar de uma broncopneumonia. Mojica deixa sete filhos.
Maestro Julio Medaglia chega ao velório de José Mojica Marins, o Zé do Caixão, nesta quinta-feira (20) no Museu da Imagem e do Som, em SP
Celso Tavares/G1
Ator Rubens Mello se emociona no velório de Zé do Caixão nesta quinta-feira (20), no Museu da Imagem e do Som, em SP
Celso Tavares/G1
A modelo Alexa Oa, 29 anos, foi ao velório de Zé do Caixão usando uma camiseta do personagem nesta quinta-feira (20)
Celso Tavares/G1
Morre José Mojica Marins, o Zé do Caixão, aos 83 anos
Morre aos 83 anos o ator e cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão
Mestre do terror brasileiro
Filho dos artistas circenses Antonio André e Carmen Marins, José Mojica Marins nasceu no dia 13 de março de 1936, em São Paulo.
FOTOS: Relembre carreira de Zé do Caixão
VÍDEOS: Entrevistas e Zé do Caixão em ação
Mojica dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes. Seu interesse pelo cinema de terror escatológico começou nos anos 1950, mas foi em 1964, com o filme “À meia-noite levarei sua alma”, que ganhou o apelido de Zé do Caixão.
Seu personagem mais famoso, o agente funerário sádico com roupas pretas, cartola, capa e unhas longas, ainda aparece em “Esta noite encarnarei no teu cadáver” (1967), “O estranho mundo de Zé do Caixão” (1968) e “Encarnação do demônio” (2008).
Morre aos 83 anos o ator e cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão
Morre Zé do Caixão aos 83 anos
Zé do Caixão no filme ‘Encarnação do Demônio’, de 2008
Divulgação
Mesmo conhecido como o mestre do terror no cinema brasileiro, Mojica trabalhou com outros gêneros, como aventura, faroeste e pornochanchada. Ele também influenciou o movimento do cinema marginal nos anos 1960.
Quando tinha 17 anos, fundou a Companhia Cinematográfica Atlas, que produziu filmes amadores. O primeiro longa-metragem foi “A sina do aventureiro”, de 1958.
Em 1963, escreveu a história de “Meu destino em tuas mãos” e procurou o cineasta Ozualdo Candeias para fazer o roteiro, mas o colaborador não foi creditado.
Zé do Caixão em ‘Esta noite encarnarei no teu cadáver’, de 1967
Divulgação
O personagem Zé do Caixão, conforme Mojica contou em várias entrevistas, surgiu para ele durante um pesadelo, em que um homem de capa preta o arrastava para um túmulo.
A primeira aparição do Zé do Caixão no cinema foi em “À meia-noite levarei sua alma”, de 1964. Nos Estados Unidos, ele ficou conhecido como “Coffin Joe”.
Segundo o site oficial do personagem, Josefel Zanatas era o nome verdadeiro de Zé do Caixão. O coveiro era filho de um casal dono de uma rede de agências funerárias.
Por isso, o pequeno Zé do Caixão cresceu como uma criança muito sozinha e discriminada pelos colegas por causa da profissão dos pais.
A biografia ainda diz que Zé do Caixão é um “homem sem crenças, não acredita em Deus nem no Diabo, só acredita nele mesmo, acha que é o único que pode fazer justiça”.
O cineasta e ator José Mojica Marins, conhecido como Zé do Caixão em fotografia feita em 2001
Agliberto Lima/Estadão Conteúdo
Com o sucesso, o personagem começou a ser confundido com o seu próprio autor. No anos 1990, o Zé do Caixão apresentou o “Cine Trash”, na Rede Bandeirantes.
Ele também comandou um programa de entrevistas no Canal Brasil, “O estranho mundo do Zé do Caixão”, que estreou em 2008 e teve sete temporadas.
Em 2014, José Mojica sofreu um infarto e passou por uma angioplastia e colocou três stents (bubos de metal para melhorar o fluxo sanguíneo da artéria) no coração.
Ele voltou a ser internado no mesmo ano em razão de uma piora nas funções renais. Desde então, ele se manteve mais afastado da mídia.

Please enter banners and links.

Engavetamento com mais de 200 carros deixa 2 mortos no Canadá

Rajada de neve forte e repentina tirou a visibilidade na estrada de Montreal. Ao menos 50 veículos ficaram completamente destruídos, disse o governo. Acidente perto de Montreal deixa pelo menos 60 feridos
Um megaengavetamento com mais de 200 carros deixou 2 mortos em Montreal, no Canadá, na última quarta-feira (19). Outras 9 pessoas tiveram ferimentos graves. Cerca de 100 tiveram de ser socorridas e levadas para hospitais.
O acidente foi causado por uma rajada forte e repentina de neve e vento que fez com os motoristas perdessem a visibilidade na rodovia A15. Pelo menos 50 veículos foram completamente destruídos durante a série de batidas, disse o governo canadense.

Please enter banners and links.