Ney Matogrosso é ovacionado em show potente no Rock in Rio Lisboa


Aos 80 anos, cantor segue com voz firme e performance impecável em apresentação do álbum ‘Bloco na Rua’ de 2019. Ney Matogrosso
Divulgação/I Hate Flash
Os portugueses esperaram dois anos até o reencontro com Ney Matogrosso, mas não foi em vão.
Francisco, El Hombre faz show quente e politizado no Rock in Rio Lisboa
Johnny Hooker diz que show no Rock in Rio Lisboa vai ser ‘impactante, político e forte’
O cantor de 80 anos entregou um show performático e potente, como de praxe, no Rock in Rio Lisboa neste sábado (25). Ele foi anunciado em 2020, quando o festival iria acontecer em junho, mas os planos mudaram por conta da pandemia.
O show que ele faz dois anos depois é o do álbum “Bloco na Rua”, um tanto quanto antigo em 2022, mas ninguém parece se importar com isso.
Ney Matogrosso
Divulgação/I Hate Flash
Ney abre com “Meu Bloco na Rua”, de Sérgio Sampaio, e segue pelo repertório com música de Rita Lee, Chico Buarque e Paralamas do Sucesso.
Em “Ponta do Lápis”, o telão exibe imagens de indígenas, enquanto Ney se vira e abre os braços reverenciando, mas não diz nada.
O cantor é bem direito e manda uma música atrás da outra. Ele para só para retribuir um coro de “Ney, eu te amo”.
“Como 2 e 2”, música de Caetano Veloso, é ponto alto do show com um começo quase a capella e mostra como a voz segue metálica e firme independente do tempo. É tão bonito que o público até canta baixinho para não sobressair ao cantor.
No final, ele abre os braços para receber os aplausos com um risinho de satisfação.
Com a galera completamente entregue, Ney segue para a reta final com “Poema” e termina com o samba “Ex-Amor”. Apesar de antigo, é um show do Ney Matogrosso e isso basta.

Please enter banners and links.

Paulo Netto lança álbum com registro do show em que canta Belchior há dez anos


♪ Quando lançar na segunda semana de julho o álbum Paulo Netto canta Belchior ao vivo, haverá quem pense que o cantor pernambucano quer surfar na onda da revalorização da obra do compositor cearense Antonio Carlos Belchior (26 de outubro de 1946 – 30 de abril de 2017).
A rigor, Paulo Netto canta o repertório de Belchior em show que entrou em cena em 2012, cinco anos antes da morte do autor de A palo seco (1973) e do consequente culto a Belchior.
Dez anos depois da estreia, o artista lança álbum audiovisual com o registro do show pelo selo Analaga, do produtor musical Dudu Borges, que se interessou em lançar o disco ao convidar Paulo para gravar a canção Paralelas (1975) para o projeto Live Vip.
Com onze músicas alocadas em dez faixas, o disco foi gravado em duas etapas no Studio Vip, na cidade de São Paulo (SP). Sete músicas foram captadas no fim de 2019. Tempos depois, no início de junho deste ano de 2022, Paulo Netto gravou as outras quatro músicas.
Todos os registros foram feitos em plano sequência de áudio e vídeo, em um único take, sem edição.
♪ Eis, na ordem do disco, as 11 músicas do álbum Paulo Netto canta Belchior ao vivo :
1. Na hora do almoço (1971) /
2. A palo seco (1973)
3. Galos, noites e quintais (1976)
4. Coração selvagem (1977)
5. Medo de avião (1979)
6. Moto 1 (Fagner e Belchior, 1973)
7. Divina comédia humana (1978)
8. Mucuripe (Fagner e Belchior, 1972)
9. Como nossos pais (1976)
10. Velha roupa colorida (1976)
11. Paralelas (1975) – Faixa-bônus

Please enter banners and links.