Campus Party: público com mais de 40 até acampa para não perder nada

A extensa programação da Campus Party não atrai apenas adolescentes
fãs de computadores. Não é difícil encontrar um público mais velho, com mais de
40 anos, circulando pelos corredores da feira. Assim como os mais jovens, alguns participaram
de todas as edições do evento e ainda acampam para aproveitar ao máximo a experiência

A professora pós-graduada em tecnologia educacional Marta
Contreras, 51 anos, participou de todas as edições da Campus Party, com exceção
da primeira em 2008. Inicialmente, foi à feira para apresentar trabalhos e projetos,
mas o gosto pela tecnologia a levou para o evento nos demais anos.  “A Campus Party é um ótimo lugar para fazer amigos e contatos profissionais. A programação é sempre de alto nível e reúne pessoas com os mesmos interesses”, diz

Para aproveitar ao máximo as palestras e workshops, Marta sempre acampa no evento. “Acampar na Campus Party e é uma delícia. A minha experiência nas edições anteriores ajuda a encontrar um bom lugar e saber o que funciona melhor em cada situação”

Ana Paula Batista Rodrigues, 46 anos, também é professora e especializada na aplicação da tecnologia à educaçãoestá em sua segunda edição de
Campus Party.

Paulinha, como prefere ser chamada, confessa que acampar na
feira não é uma tarefa tão simples. “Eu estou apaixonada pela feira e estou até acampada. A coluna às vezes reclama, mas tomo relaxante muscular e fica tudo bem”

Paulinha trabalha a robótica na educação infantil e consegue
aplicar os conhecimentos adquiridos da Campus Party na sala de aula.

 “O espírito do
educador é sempre jovem. A nossa a característica é querer buscar algo novo e
estar antenado às inovações”, explica

A pedagoga Ana Frank, 62 anos, foi para Campus Party 20
vezes. Além de comparecer a todas as 12 edições nacionais da feira, ela também
viaja para as feiras regionais em outros estados.

“É uma experiência muita enriquecedora.
Eu tenho amigos desde da edição de 2008, que foi a primeira que eu fui”.

Ana diz ser apaixonada pela feira e garante que continuará
indo em todas as edições. Neste ano, ela planeja ir também para Salvador,
Brasília e Natal.  Para acompanhar melhor as palestras e workshops, Ana afirma que o
único jeito é acampar. “Eu sempre acampo e nunca durmo. O jovem não dorme e eu fico
com eles o tempo todo. Eles me ensinam muito e me tratam muito bem”

O médico Fábio Engler, 52 anos, é viciado em Star Trek. Ele
e outros amigos do fã clube da série foram a 5 edições da Campus Party. Eu trabalho todos os dias no consultório e no hospital, mas
nesta semana venho para Campus Party sempre que tiver algum tempo livre.

“Eu tenho vontade de acampar, mas infelizmente não posso
parar o trabalho”

A dentista Márcia Chaves, 56 anos, está em sua primeira Campus
Party, e está conciliando o trabalho com a programação.

“Estou achando a Campus Party interessantíssima.
Eu gosto muito de computador e de tecnologia e nunca tinha participado”, diz

Márcia afirma que a primeira experiência não será a única e
promete voltar.

“Eu não acampava nem quando era jovem e não vou acampar agora,
mas venho no ano que vem com certeza. Eu quero participar de todos os dias com
mais calma e mais tempo”

O analista de sistemas Moyses Berndt 60 anos foi em 10
edições da Campus Party atraído pelo convívio com as pessoas que pensam como
ele e para atualizar os conhecimentos profissionais.  “Eu já
fui até mentor de projetos que começaram aqui na feira. Às vezes, eles estão inseguros com uma ideia e precisam de um conselho de alguém com mais experiência”, afirma

Berndt costuma acampar na feira e só reclama da alimentação que tem ao longo dos dias em que está longe de casa. “As refeições são de baixa qualidade e os preços são altos, mas esse é o único ponto negativo de acampar na Campus Party. Tirando isso é tudo ótimo”

Love, Death & Robots: Animação da Netflix ganha trailer para maiores de idade

Love, Death & Robots, nova animação antológica de Tim Miller (Deadpool) e David Fincher (Clube da Luta) pela Netflix, recebeu o primeiro trailer.

Assim como a série, o vídeo é voltado para o público adulto e contém o alerta “not safe for work” — isto é, melhor assistir em casa, sem nenhum chefe ou colega de trabalho por perto:

Leia mais: Filme de Breaking Bad vai estrear na Netflix

A série também recebeu um pôster inédito, que você confere logo abaixo:

IGN

IGN
IGN

Ao todo, serão 18 contos que irão passear pelos gêneros de ficção científica, fantasia, terror e comédia, tratando de assuntos como racismo, governo, guerra, livre arbítrio e natureza humana. Os episódios terão de 5 a 15 minutos de duração e a animação será uma mistura do tradicional 2D com o photo-real 3D CGI.

Love, Death & Robost chega à Netflix no dia 15 de março.

Inscreva-se no canal do IGN Brasil no Youtube e visite as nossas páginas no Facebook, Twitter, Instagram e Twitch!