Professores protestam contra reajuste de 2,95% e pedem reunião com o Governo


Professores discordam de reajuste aprovado em sessão tumultuada na Alepi e sancionado pelo Governo do estado. Representantes dos professores foram recebidos em reunião no Palácio do Karnak. Professores se reuniram no Palácio do Karnak, em Teresina, para protestar contra reajuste salarial.
Lorena Linhares/ G1 PI
Dezenas de professores e trabalhadores da educação do Piauí se reuniram diante do Palácio de Karnak, sede do Governo do Piauí, para protestar contra o reajuste salarial de 2,95%, sancionado pelo governador Wellington Dias no dia 27 de junho. O Governo do Estado não quis se manifestar.
Paulina Almeida, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte), disse que a categoria tenta uma reunião com o governo para encerrar a greve. “Entendemos que greve não é boa nem para nós nem para a sociedade, mas o governo nos empurra para uma greve, uma greve difícil que já está beirando um mês”, comentou.
Para a secretária de finanças do Conselho Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE), Rosilene Correia, o protesto dos professores é legítimo, por que busca o cumprimento da portaria assinada pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, ainda em dezembro de 2017 que aumentava o piso salarial dos professores em 6,81% em 2018.
Professores usaram carro de som em manifestação no Palácio do Karnak, no Centro de Teresina.
Lorena Linhares/ G1 PI
“Nem se trata de uma reivindicação, é lei a ser cumprida e que o governador, junto com deputados, articularam uma manobra para não reconhecer esse direito. Foi feito um acordo com base na lei do reajuste do piso, uma lei federal, e ainda assim o governo local insiste em descumprir”, disse Rosilene.
O reajuste sancionado pelo governador para os funcionários da educação é inferior ao que havia sido acordado entre a categoria e o governo em maio, que foi de 6,81%. Entretanto, o reajuste foi vetado pelo próprio governador, e o novo valor, de 2,95% foi aprovado pela Assembleia Legislativa no dia 21 de junho.
O reajuste foi aprovado em uma sessão tumultuada, com protesto dos professores. Uma professora quebrou a perna durante a confusão entre a categoria, os deputados estaduais e vigilantes da Assembleia Legislativa.

Caminhoneiro é preso de esfaquear a esposa e o filho no ES, diz polícia

Menino de 14 anos tentou defender a mãe, mas também terminou agredido pelo pai. Agressor se escondeu em outro bairro, mas foi entregue à polícia pelos próprios parentes. Um caminhoneiro foi preso após dar quatro facadas na companheira, a esposa, uma cabeleireira de 39 anos, na noite desta terça-feira (3), no bairro São João Batista, em Cariacica, na Grande Vitória.
Durante a agressão, o filho do casal, de 14 anos, tentou defender a mãe e também foi atingido por uma facada no braço. A vítima ainda conseguiu atingir o agressor com uma facada superficial nas costas.
O agressor foi preso na manhã desta quarta (4), enquanto se escondia no bairro Vale Encantado, em Vila Velha. Parentes dele entraram em contato com a polícia.
Segundo a polícia, o caminhoneiro não queria que a cabeleireira fizesse um curso de especialização. No meio da discussão, pegou uma faca e a atacou.
Mãe e filho foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) e encaminhados ao Hospital Antônio Bezerra de Faria, em Vila Velha.
Não há informações sobre o estado de saúde das vítimas. O agressor foi encaminhado ao presídio e autuado por tentativa de homicídio.