Disputa entre China e EUA pode levar Brasil a ter de importar soja, diz associação

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) – O Brasil, maior exportador mundial de soja, poderá ter de importar a oleaginosa dos Estados Unidos neste ano para atender à demanda de processadores locais, disse um executivo da Associação Nacional dos Exportadores (Anec) nesta quinta-feira.

Se a demanda da China por soja brasileira aumentar diante da guerra comercial com os Estados Unidos, os processadores locais poderão ter de recorrer à importação de 500 mil a 1 milhão de toneladas dos Estados Unidos, disse Luis Barbieri em um evento em São Paulo.

A China anunciou tarifas de 25 por cento a uma série de produtos dos EUA, que devem entrar em vigor a partir de sexta-feira.

“Esse é um dos momentos mais incertos na história recente do comércio de grãos”, disse Barbieri, referindo-se à disputa comercial.

O Brasil, que também é um dos maiores produtores de soja do mundo, deverá exportar um recorde de 73,5 milhões de toneladas neste ano, segundo previsões da consultoria Agroconsult reafirmadas no evento desta quinta-feira.

Em junho, o governo estimou que as exportações brasileiras de soja em 2018 devem totalizar 72 milhões de toneladas.

A Agroconsult disse que manterá sua previsão de exportação apesar das preocupações relacionadas aos custos de frete no Brasil, que aumentaram desde que o governo impôs preços mínimos como uma das medidas para encerrar a greve dos caminhoneiros que paralisou as rodovias em maio.

Houve anos em que as importações eram necessárias para manter os processadores de soja funcionando durante o período de entressafra, disse Fábio Meneghin, sócio da Agroconsult, no intervalo do evento.

“Trazer a soja de outros países não é sem precedentes”, disse ele.

A Agroconsult vê a produção brasileira de soja nesta temporada em 118,9 milhões de toneladas.

Homem é assassinado durante briga por vaga de estacionamento em Itaboraí

Homem é assassinado durante briga por vaga de estacionamento em Itaboraí

A polícia procura por um jovem de 21 anos que teria matado o vizinho após uma discussão por uma vaga de estacionamento em Itaboraí, na região metropolitana do Estado. A vítima não encontrou vaga no condomínio em que morava e discutiu com o marido da síndica. Imagens de uma câmera de segurança mostram que o filho do casal teria entrado na discussão e dado dois golpes de faca nele. Segundo o delegado Vilson Almeida, um pedido de prisão foi encaminhado para o Ministério Público. A palestrante da Escola Superior de Guerra, Flávio Mello, comentou o caso no estúdio do Balanço Geral.