Hooligans driblam restrições da Fifa e passeiam livremente na Copa 2018

Perfil no Instagram mostra a rotina de alguns torcedores briguentos na Rússia

Perfil no Instagram mostra a rotina de alguns torcedores briguentos na Rússia
Reprodução/Instagram/@hooliganstv

A Copa do Mundo chega nesta terça-feira (3) ao seu momento de maior tensão. Não apenas pelo andamento das oitavas de final, mas pelos torcedores de Colômbia x Inglaterra, no Estádio do Spartak. Apesar dos esforços da Fifa e do COL (Comitê Organizador Local) para barrar a presença deles, os conhecidos hooligans ingleses estão em Moscou.

Veja os confrontos das oitavas de final da Copa do Mundo

Ainda que quisessem, os torcedores brigões não andam com camisas ou bandeiras os identificando como aqueles que não se cansam de promover violentas batalhas nos arredores dos estádios. As redes sociais tratam de registrar a presença de quem por tantas vezes manchou o futebol europeu. O perfil “Hooligans TV”, no Instagram, mostra a presença de torcedores em alguns dos principais pontos-turísticos da capital russa.

Diante da ameaça dos hooligans (aliado ao temor do terrorismo), a Fifa e o COL impuseram nos torcedores um crachá para uso nos estádios e recomendado mesmo para passeios nas cidades-sede. O Fan ID foi o mecanismo encontrado para tentar barrar a entrada de “pessoas indesejadas” no país da Copa do Mundo. No primeiro encontro com a imprensa desde que a competição começou, o presidente do COL Alexey Sorokin reafirmou que as autoridades russas estão preparadas para garantir a segurança do evento.

“Primeiramente, não vemos o Fan ID como exclusivamente uma questão de segurança. É também uma grande vantagem para os torcedores porque os elimina do visto de entrada do país, transporte grátis durante a Copa do Mundo. Mas, claro, é uma ferramenta se segurança também que barra pessoas envolvidas em algum tipo de atividade criminal”, disse Sorokin.

A Rússia 2018 experimentou até aqui apenas pequenos episódios de briga entre torcedores. A pior delas talvez tenha acontecido acontecido no última rodada da fase de grupos entre Sérvia e Brasil. Naquela ocasião, dois torcedores trocaram socos na arquibancada do Spartak e foram levados para fora do estádio. As confederações dos dois países foram advertidas pelo Comitê Disciplinar da Fifa – o episódio também foi comentado pelo perfil hooligan na internet.

“Não chamo isso de brigas. Chamo isso de incidentes”, disse Sorokin. “Incidentes, insultos ou assédios não estão nas estatísticas do COL. Só vi estatísticas positivas até agora e o que vejo aqui não representa um grande problema.”

A Rússia 2018 nunca confirmou o número exato de agentes que trabalham na segurança do Mundial. Na conta oficial, são 15 órgãos de forças de segurança, 17.440 stewards e 21.556 agentes de segurança privada.

Colômbia e Inglaterra se enfrentam a partir das 15 horas (de Brasília). O vencedor do confronto enfrenta quem avançar de Suécia x Suíça, que jogam a partir das 11 horas, em São Petersburgo.

 

Inglaterra pega Colômbia de olho em acabar com jejum de títulos

Southgate tem nas mãos segundo elenco mais jovem em média de idade da Copa

Southgate tem nas mãos segundo elenco mais jovem em média de idade da Copa
Maxim Shemetov/Reuters – 2.7.2018

Os brasileiros em especial adoram tirar onda com o jejum de títulos dos argentinos. Mas há outro rival de Copa do Mundo em uma seca ainda maior por uma mísera conquista. A Inglaterra enfrenta a Colômbia nesta terça-feira (3), no Estádio do Spartak, de olho em evitar mais uma frustração da seleção campeã em casa em 1966.

Veja os duelos das oitavas de final da Copa

Daquele título para cá, 52 anos se passaram e avôs, pais e netos viram grandes nomes desperdiçarem Mundiais em sequência. A comparada Argentina foi campeã do mundo em duas oportunidades e venceu pela última vez na Copa América de 1993. Caso vençam os colombianos a partir das 15 horas (de Brasília), os ingleses já repetirão pelo menos a Alemanha 2006, quando também chegaram às quartas de final.

O técnico Gareth Southgate reconhece que o jejum incomoda. Com um elenco de 26 anos de média (a segunda menor da Copa, perdendo apenas para os 25 anos e nove meses dos nigerianos), o time sabe que pode fazer história na Rússia 2018. O time caiu nas oitavas na África do Sul 2010 e não passou da primeira fase no Brasil 2014.

Southgate perdeu pênalti decisivo

Southgate perdeu pênalti decisivo
Clive Brunskill/Getty Images – 17.11.1999

“É uma oportunidade para este time chegar onde outros experientes times não chegaram”, disse Southgate. “A chave para uma fase eliminatória é fazer uma preparação bem feita, séria, treinando duro e é isso que estamos tentando fazer.”

Mas não é apenas em Copas do Mundo que o time tem fracassado por anos seguidos. Em Eurocopas, a situação também é desfavorável. Para piorar, o time nunca venceu a competição continental. Nas duas últimas Euros que participaram, caíram nas quartas e nas oitavas de final respectivamente.

O próprio técnico Southgate faz parte dessa geração que frustrou expectativas. Quando jogador, ele errou o pênalti decisivo que eliminou a Inglaterra contra a Alemanha, em casa, em 1996. Ele ainda atuou na França 1998 e na Euro de dois anos depois, na Bélgica e na Holanda.

Uma das teorias mais aceitas para o jejum inglês culpa a badalada Premiere League pelo desempenho ruim da seleção. A lógica se dá no lema “club over country” (ou time primeiro, seleção depois em uma tradução livre). Com um campeonato nacional tão forte, os jogadores nascido no país perdem espaço para estrelas do futebol internacional e, por isso, não têm como se desenvolver e também não chegam como deveriam à seleção.

“Temos que focar no jogo de amanhã. Temos um adversário muito difícil pela frente, jogar concentrando, com a mesma mentalidade do início ao fim. É preciso continuar a ter o mesmo futebol que demonstramos até agora. Se conseguirmos isso, será uma ótima noite”, limitou-se a dizer o treinador.

O vencedor de Colômbia x Inglaterra enfrenta quem avançar de Suécia x Suíça, que acontece horas antes, em São Petersburgo.