Acidente entre carro e caminhão deixa mortos na BR-381, próximo a Periquito


Segundo as primeiras informações dos bombeiros, três pessoas, ocupantes do carro, morreram; caminhoneiro disse à polícia que tentou evitar a colisão. Carro ficou prensado abaixo de caminhão após colisão na BR-381, perto de Periquito
Ronalt Lessa/InterTV dos Vales
Três pessoas morreram na manhã desta sexta-feira (20) em acidente envolvendo um carro de passeio e um caminhão na BR-381, próximo a Periquito, segundo as primeiras informações do Corpo de Bombeiros. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, os veículos colidiram em uma curva; o carro ficou prensado debaixo do caminhão.
Os três ocupantes do carro morreram no acidente. O motorista e uma criança de aproximadamente três anos, que estava no bebê conforto, morreram no local. Já uma mulher foi retirada com vida das ferragens pelo Corpo de Bombeiros e foi encaminhada pelo Samu para um hospital em Governador Valadares, mas não resistiu.
O motorista do caminhão não se feriu. Ele contou aos policiais rodoviários que tentou impedir a batida. “O que eu posso dizer é que o carro rodou na pista, veio de lado e bateu no caminhão. Eu tentei segurar, mas não deu para evitar”, explicou Adão José Lemos.
O trânsito no local se encontra parcialmente interrompido em meia pista.

Após CGU detectar irregularidades, TCU determina que ONG com projetos em Brusque devolva R$ 23 milhões

Entre as irregularidades do programa estão falta de uniformes, calçados e  oferta de alimentos com a validade vencida. TCU aponta irregularidades no programa ‘Segundo Tempo’ em Brusque; Renato Igor comenta
O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou neste mês que R$ 23 milhões destinados ao Programa Segundo Tempo, um programa de criação de núcleos esportivos em Brusque, no Vale do Itajaí, sejam devolvidos aos cofres públicos. Foram condenados o Instituto Contato, uma organização sem fins lucrativos, e o então presidente, Rui de Oliveira. A decisão ocorreu após Controladoria Geral da União (CGU) e o Minstério dos Esportes detectarem irregularidades no programa. A reportagem não conseguiu contato com os citados.
Em 2009, a Prefeitura de Brusque firmou um acordo com o Instituto Contato. Da parceria foi lançado o programa, que previa a implantação de 24 núcleos esportivos. A ideia era que Brusque se tornasse uma referência para a implantação deste projeto em outras localidades.
Entre as irregularidades do programa, a falta de uniformes, calçados e materiais esportivos adequados, a oferta de alimentos com a validade vencida e o superfaturamento na aquisição dos produtos, além da não divulgação das licitações, a fim de direcionar os vencedores.
Em 2016, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmou sentença condenando o Instituto. Na época cabia recurso.
O acórdão do TCU foi feito após sessão da 1ª Câmara em 3 de julho, em que estavam o ministro Benjamin Zymler e o relator Vital do Rêgo. O valor solicitado a devolução é de repasses entre 2009 e 2010, já com juros.
Os prazos para cumprir a decisão começam a valer a partir da notificação. O vencimento da primeira de devolução será em 15 dias.
O outro lado
A prefeitura de Brusque, confirmou por meio de nota o convênio com o Instituto e cumprimento dele até 31 de dezembro de 2009, sem prorrogá-lo. “Desta forma, a prefeitura confere que atualmente não é beneficiária de qualquer contrato com o instituto”.
Ainda segundo a administração, não foi encontrado nenhum registro de devolução de dinheiro na contabilidade proveniente do processo do Instituto. O presidente do instituto na época, Rui de Oliveira, não foi encontrado.
Confira mais notícias do estado no G1 Santa Catarina.