Oscar 2021: ‘Nomadland’ é grande vencedor, com prêmios de melhor filme, direção e atriz


Longa sobre nômades fez de Chloé Zhao a segunda mulher a ganhar categoria de direção. Anthony Hopkins, Frances McDormand, Daniel Kaluuya e Youn Yuh-jung venceram. Chloe Zhao faz história como primeira mulher asiática a vencer o Oscar na categoria de direção.
Todd Wawrychuk/A.M.P.A.S. via REUTERS
“Nomadland” foi o grande vencedor do Oscar 2021 neste domingo (25), com três prêmios. Drama americano sobre nômades da terceira idade sem emprego ou aposentadoria, venceu o principal prêmio da noite: Melhor filme.
A cerimônia dos melhores do cinema aconteceu em dois lugares, devido à pandemia de Covid-19: no Dolby Theatre e no Union Station, em Los Angeles.
Além dele, o filme também levou dois outros prêmios: Direção para Chloé Zhao e Atriz para Frances McDormand.
Com a vitória, Zhao se tornou a segunda mulher a vencer na história da categoria. Antes dela, apenas Kathryn Bigelow havia ganhado, em 2010.
Em noite dividida, seis filmes levaram duas estatuetas cada: “Meu pai”, “Mank”, “Soul”, “Judas e o Messias Negro”, “A voz suprema do blues” e “O som do silêncio”;
Nas categorias de atuação, Anthony Hopkins, Daniel Kaluuya e Youn Yuh-jung também foram premiados (veja lista completa abaixo).
Nomadland vence Melhor Filme do Oscar
Reprodução
Veja fotos do tapete vermelho
G1 já viu… Todos os indicados a Melhor Filme
Sem músicas, mais histórias
Thomas Vinterberg, diretor dinarmaquês, vence o Oscar de Melhor Filme Internacional com ‘Druk’
Reprodução/Oscar
As apresentações musicais do Oscar foram gravadas e exibidas antes da premiação. Assim, sobrou tempo para os vencedores fazerem seus discursos sem interrupção – e sua famosa música corta discursos.
Um dos mais emocionantes da noite foi do diretor Thomas Vinterberg, que levou o prêmio de Melhor Filme Internacional por “Druk – Mais uma rodada”. O dinamarquês se emocionou ao homenagear a filha que morreu logo antes das filmagens em um acidente de carro.
“Druk” seria a estreia de Ida Vinterberg, de 19 anos, como atriz. “Acabamos fazendo esse filme para ela, é um tributo a ela. É um milagre que acabou de acontecer – e você faz parte desse milagre. Talvez você esteja mexendo os pauzinhos em algum lugar, não sei. Mas este prêmio é para você”, disse.
Ao vencer Melhor Direção, Zhao citou um poema chinês. “Tenho pensado muito ultimamente sobre como continuo a seguir quando as coisas ficam difíceis. Quando eu era criança na China, meu pai e eu costumávamos memorizar textos e poemas clássicos chineses e recitar juntos”, disse.
“Eu me lembro de um chamado ‘The Three Character Classic’, e ele dizia: ‘As pessoas, ao nascer, são boas’. Essas palavras tinham muito impacto quando eu era criança, e ainda acredito nelas. Sempre achei bondade nas pessoas que conheci – em todos os lugares do mundo. Esse Oscar é para qualquer pessoa que tem a coragem de se manter boa e ver o que há de bom nos outros.”
Coadjuvantes e representatividade
Daniel Kaluuya recebe Oscar de ator coadjuvante por “Judas e o Messias Negro”
Todd Wawrychuk/A.M.P.A.S./via Reuters
As duas vitórias de atuação coadjuvantes foram para atores não brancos, confirmando um olhar da Academia para mais representatividade na premiação.
Daniel Kaluuya venceu o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante por “Judas e o Messias Negro” e sua interpretação do jovem ativista Fred Hampton. Em seu discurso, ele fez uma homenagem a Hampton e ao partido dos Panteras Negras.
“Que homem. Quão abençoados nós somos por termos vivido uma vida onde ele existiu. Obrigado por sua luz. Ele esteve nesta terra por 21 anos e encontrou uma maneira de dar café da manhã às crianças. Educar as crianças, dar assistência médica gratuita, contra todas as probabilidades. Ele me mostrou, ele me ensinou, ele, Huey P. Newton, Bobby Seale, os Panteras Negras, eles me mostraram como me amar, e com esse amor, eles transbordaram para a comunidade negra e outras comunidades.”
Yuh-Jung Youn com o Oscar de atriz coadjuvante por “Minari”
AP Photo/Chris Pizzello
Já o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante foi para Youn Yuh-jung, de “Minari”. Aos 73 anos, ela se tornou a primeira atriz sul-coreana a vencer a premiação.
Recordes e ineditismos
Mia Neal vence Oscar de melhor maquiagem pelo trabalho em “A Voz Suprema do Blues”
AP Photo/Chris Pizzello
A edição de 2021 foi marcada por alguns recordes e feitos inéditos. Dois deles foram conseguidos pela equipe de “A voz suprema do blues”. Ann Roth, de 89 anos, se tornou a mulher mais velha a ganhar um Oscar após vencer como Melhor Figurino.
E Mia Neal, Sergio Lopez-Rivera e Jamika Wilson foramos primeiros vencedores negros na categoria de Maquiagem e Cabelo.
Veja, abaixo, os vencedores do Oscar 2021 em negrito e grifados:
Melhor filme
“Meu pai”
‘”Judas e o messias negro”
“Mank”
“Minari”
“Nomadland”
“Bela vingança”
“O som do silêncio”
“Os 7 de Chicago”
Melhor atriz
Viola Davis – “A voz suprema do blues”
Andra Day – “Estados Unidos Vs Billie Holiday”
Vanessa Kirby – “Pieces of a woman”
Frances McDormand – “Nomadland”
Carey Mulligan – “Bela vingança”
Melhor ator
Riz Ahmed – “O som do silêncio”
Chadwick Boseman – “A voz suprema do blues”
Anthony Hopkins – “Meu pai”
Gary Oldman – “Mank”
Steve Yeun – “Minari”
Melhor direção
Thomas Vinterberg – “Druk – Mais uma rodada”
David Fincher – “Mank”
Lee Isaac Chung – “Minari”
Chloé Zhao – “Nomadland”
Emerald Fennell – “Bela vingança”
Melhor atriz coadjuvante
Maria Bakalova – “Borat: fita de cinema seguinte”
Glenn Close – “Era uma vez um sonho”
Olivia Colman – “Meu pai”
Amanda Seyfried – “Mank”
Youn Yuh-jung – “Minari”
Melhor ator coadjuvante
Sacha Baron Cohen – “Os 7 de Chicago”
Daniel Kaluuya – “Judas e o messias negro”
Leslie Odom Jr. – “Uma noite em Miami”
Paul Raci – “O som do silêncio”
Lakeith Stanfield – “Judas e o messias negro”
Melhor filme internacional
“Druk – Mais uma rodada” (Dinamarca)
“Shaonian de ni” (Hong Kong)
“Collective” (Romênia)
“O homem que vendeu sua pele” (Tunísia)
“Quo vadis, Aida?” (Bósnia e Herzegovina)
Melhor roteiro adaptado
“Borat: fita de cinema seguinte”
“Meu pai”
“Nomadland”
“Uma noite em Miami”
“O tigre branco”
Roteirista de ‘Meu Pai’ no Oscar
Reprodução
Melhor roteiro original
“Judas e o Messias negro”
“Minari”
“Bela vingança”
“O som do silêncio”
“Os 7 de Chicago”
Melhor figurino
“Emma”
“A voz suprema do blues”
“Mank”
“Mulan”
“Pinóquio”
Melhor trilha sonora
“Destacamento blood”
“Mank”
“Minari”
“Relatos do mundo”
“Soul”
Melhor animação
“Dois irmãos: Uma jornada fantástica”
“A caminho da lua”
“Shaun, o Carneiro: O Filme – A fazenda contra-ataca”
“Soul”
“Wolfwalkers”
Melhor curta de animação
“Burrow”
“Genius Loci”
“If anything happens I love you”
“Opera”
“Yes people”
Melhor curta-metragem em live action
“Feeling through”
“The letter room'”
“The present”
‘”Two distant strangers”
“White Eye”
Melhor documentário
“Collective”
“Crip camp”
“The mole agent”
“My octopus teacher”
“Time”
Melhor documentário de curta-metragem
“Collete”
“A concerto is a conversation”
“Do not split”
“Hunger ward”
“A love song for Natasha”
Melhor som
“Greyhound: Na mira do inimigo”
“Mank”
“Relatos do mundo”
“Soul”
“O som do silêncio”
Canção original
“Fight for you” – “Judas e o messias negro”
“Hear my voice” – “Os 7 de Chicago”
“Husa’vik” – “Festival Eurovision da Canção: A saga de Sigrit e Lars”
“Io sì” – “Rosa e Momo”
“Speak now” – “Uma noite em Miami”
Tiara Thomas, H.E.R. e Dernst Emile II levam Oscar de melhor canção original por “Fight For You”, no filme de “Judas e o Messias Negro”
AP Photo/Chris Pizzello
Maquiagem e cabelo
“Emma”
“Era uma vez um sonho”
“A voz suprema do blues”
“Mank”
“Pinóquio”
Efeitos visuais
“Problemas monstruosos”
“O céu da meia-noite”
“Mulan”
“O grande Ivan”
“Tenet”
Erik Messerschmidt recebe Oscar de melhor fotografia por “Mank”
Reprodução
Melhor fotografia
“Judas e o messias negro”
“Mank”
“Relatos do mundo”
“Nomadland”
“Os 7 de Chicago”
Melhor edição
“Meu pai”
“Nomadland”
“Bela vingança”
“O som do silêncio”
“Os 7 de Chicago”
Melhor design de produção
“Meu pai”
“A voz suprema do blues”
“Mank”
“Relatos do mundo”
“Tenet”
VÍDEOS: Semana Pop tem novidades do cinema e outros temas do entretenimento