Os 100 anos de Zé Dantas, compositor de obra feita com alegria, crítica social, lirismo e malícia


Nascido em 27 de fevereiro de 1921, o autor de ‘Acauã’ é lembrado como importante parceiro de Luiz Gonzaga. Zé Dantas tem o centenário de nascimento celebrado hoje em live do Quinteto Violado
Divulgação
♪ O rosto de José Dantas de Souza Filho (27 de fevereiro de 1921 – 11 de março de 1962) talvez seja pouco familiar para a maioria dos brasileiros.
Contudo, poucos brasileiros atravessam a vida sem cantarolar ao menos uma música que tem nos créditos o nome de Zé Dantas, como se apresentava artisticamente o compositor pernambucano cujo nascimento completa hoje 100 anos.
Aliás, um grande compositor, notabilizado como um dos parceiros mais importantes de Luiz Gonzaga (1912 – 1989) – e há quem o aponte como o mais relevante parceiro do Rei do baião – na construção de obra monumental que deu o tom da música nordestina a partir de 1950 em apogeu que durou até 1955.
A partir das 21h deste sábado, 27 de fevereiro de 2021, o conterrâneo Quinteto Violado celebra o centenário de nascimento Zé Dantas em live promovida pela Prefeitura de Carnaíba – município do sertão pernambucano onde o artista veio ao mundo há exatos 100 anos – e transmitida nas redes sociais do grupo pernambucano.
É provável que o roteiro da live inclua Cintura fina (1950), Derramaro o gai (1950), Vem morena (1950), Sabiá (1951), Imbalança (1952), São João na roça (1952), A letra I (1953), ABC do sertão (1953), Algodão (1953), O xote das meninas (1953), Vozes da seca (1953), Noites brasileiras (1954) e Riacho do navio (1955), todas parcerias de Zé Dantas com Luiz Gonzaga entranhadas na memória afetiva do povo nordestino e de brasileiros de outras regiões do país.
Alegria, crítica social, lirismo e malícia foram alguns dos ingredientes mais usados por Zé Dantas na criação de obra em que também se destaca Acauã (1952), música assinada somente pelo compositor e gravada pelo Quinteto Violado em 1972, vinte anos após o registro original do tema.
O já centenário Zé Dantas morreu cedo, aos 41 anos, mas vive através dessa obra imortal. Viva Zé Dantas!
Zé Dantas com Luiz Gonzaga, parceiro em sucessos como ‘O xote das meninas’ e ‘Vem morena’
Divulgação / Secult-PE