Orquestra Afrosinfônica lança segundo álbum, ‘Orin’, com capa assinada por Vik Muniz


♪ Seis anos após a edição do primeiro álbum, Branco, apresentado em novembro de 2014, a Orquestra Afrosinfônica lança o segundo álbum. Orin – A língua dos anjos chega ao mercado fonográfico em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, com capa assinada pelo artista plástico paulistano Vik Muniz.
A arte da capa foi criada por Vik com técnica de intervenção sobre registro fotográfico de ensaio realizado pela orquestra na Casa da Ponte Maestro Ubiratan Marques, ONG situada no Largo do Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador (BA), cidade onde a big-band foi fundada em 2009.
Criação do músico e arranjador soteropolitano Ubiratan Marques, a Orquestra Afrosinfônica harmoniza os sons da ancestralidade afro-brasileira com a linguagem orquestral da música de concerto, derrubando as já tênues fronteiras entre a música popular e a música dita erudita.
Para Vik Muniz, a arte da capa do álbum Orin reflete a experiência de Ubiratan Marques na condução e criação da Orquestra Afrosinfônica. “Toda música orquestral tem essa qualidade de mosaico, de relação entre uma complexidade de fragmentos e a harmonia de um todo. No caso da Orquestra Afrosinfônica e particularmente no caso do álbum Orin, este aspecto de mosaico transcende as fronteiras formais da música e se desenrola nas experiências pessoais, nas vozes, nos estilos, nos tempos, nas línguas e nas culturas. Ubiratan Marques evoca a ambição poética de harmonizar a rica cacofonia das experiências em uma linguagem divina”, conceitua Muniz.
O álbum Orin – A língua dos anjos estreita as relações da orquestra com a banda conterrânea BaianaSystem. O disco ganha edição através do selo Máquina de Louco, da BaianaSystem, cujo terceiro álbum, O futuro não demora (2019), tem o toque da Orquestra Afrosinfônica na música Água (Antonio Carlos, Jocafi, Ubiratan Marques e Russo Passapusso), arranjada por Ubiratan Marques.