Operação do Ministério Público afasta diretores de presídios no Ceará; três são presos 

Dois gestores foram presos por porte ilegal de arma de fogo. Operação segue em andamento, segundo o MPCE.  Sete diretores e coordenadores de unidades prisionais do Ceará foram afastados dos cargos nesta segunda-feira (16) durante uma operação do Ministério Público do Ceará (MPCE). Conforme promotor de Justiça Nelson Gesteira, três gestores dos presídios foram presos durante a ação.
De acordo de Conselho Penitenciário (Copen), órgão vinculado à Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus), dentre os afastados dos cargos estão diretores do Complexo Penitenciário de Itaitinga, na Região Metropolitana.
Dois investigados foram presos por porte ilegal de arma de fogo. O MPCE também cumpriu mandados de busca e apreensão nos escritórios dos gestores.
Os servidores foram levados para a Controladoria Geral de Disciplina (CGD) dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Estado do Ceará, onde estão sendo realizados os procedimentos de flagrante.
A Secretaria da Justiça foi procurada pelo G1, mas ainda não se posicionou sobre o assunto.
A investigação do MPCE foi iniciada em 2016, quando o Ceará registrou uma sequência de fugas e rebeliões nos presídios, após uma greve dos agentes penitenciários. Ainda não há confirmação se os gestores afastados têm ligação com as fugas.

Powered by WPeMatico