O cachorro-lobo de 18 mil anos que intriga os cientistas


LOVE DALÉN

Cachorro ou lobo? A pergunta intriga cientistas que estudam um filhote de 18 mil anos que foi encontrado praticamente intacto na Sibéria, região da Rússia.

O corpo do animal, que tinha dois meses quando morreu, foi preservado graças ao permafrost (solo composto por terra, gelo e rochas congelados) da região da Rússia, com pelo, nariz e dentes intactos.

A técnica de datação por radiocarbono permitiu determinar tanto a idade do animal ao morrer quanto o período em que ele esteve congelado.

Já a análise genética, por outro lado, indicou que o filhote era macho.


SERGEY FEDOROV

Mas Love Dalén, do Centro de Paleogenética da Suécia, levanta a questão em aberto: “Era um membro de uma alcateia ou o cachorro mais antigo já encontrado?”.

Os especialistas realizaram um sequenciamento do DNA, mas ainda assim não foi possível determinar a espécie. Uma hipótese levantada foi a de que o animal seria um elo evolucionário entre lobos e cachorros modernos.

Dave Stanton, do mesmo centro sueco de paleogenética, afirmou à CNN que o sequenciamento genético indicava que o animal teria vindo de uma população que é ancestral comum de cachorros e lobos.


SERGEY FEDOROV

O sequenciamento do DNA deve continuar a fim de revelar mais informações sobre a evolução dos cachorros e dos lobos.

O filhote foi apelidado de “Dogor”, que significa “Amigo” na linguagem yakut, falada na Sibéria.


Love Dalen

Afirma-se que os cachorros modernos sejam descendentes dos lobos, mas não há consenso sobre o início da domesticação dos cachorros.

Um estudo publicado em 2017 sugere que esse processo tenha ocorrido entre 20 mil e 40 mil anos atrás.