‘O bem-amado’, novela de 1973 que chega ao Globoplay em 15 de fevereiro, tem trilha sonora antológica de Toquinho & Vinicius


O samba-título é exemplo da inspiração dos compositores na criação da música para a trama do escritor Dias Gomes. Capa do LP de 1973 com a trilha sonora original da novela ‘O bem-amado’
Reprodução
♪ MEMÓRIA – Uma das novelas mais importantes da história da teledramaturgia brasileira, escrita por Dias Gomes (1922 – 1999) a partir de peça de 1962 de autoria do próprio dramaturgo baiano, O bem-amado estará disponível na plataforma Globoplay a partir de 15 de fevereiro.
Para quem nunca adquiriu a caixa com dez DVDs lançada em 2012 pela Globo Marcas, é a chance de rever a saga satírica do prefeito Odorico Paraguassu – encarnado de forma marcante pelo ator Paulo Gracindo (1911 – 1995) – na busca de cadáver para inaugurar o cemitério da fictícia cidade baiana de Sucupira.
É a chance também de reouvir a igualmente marcante trilha sonora da novela, composta pelo paulistano Toquinho com o carioca Vinicius de Moraes (19 de outubro de 1913 – 9 de julho de 1980).
Com origem que remonta ao ano de 1969, na Itália, a dupla Toquinho & Vinicius atravessou a década de 1970 com grande popularidade. A dupla vivia o auge do sucesso quando recebeu o convite do diretor Daniel Filho para compor a trilha sonora de O bem-amado, novela exibida pela TV Globo de janeiro a outubro de 1973.
Foi a segunda das três incursões de Toquinho & Vinicius no gênero telenovela. A dupla havia feito a música da trilha sonora da novela Nossa filha Gabriela (1971 / 1972) sob encomenda da TV Tupi e, no embalo do sucesso da trilha de O bem-amado, criou a música da novela Fogo sobre terra (TV Globo, 1974 / 1975).
Cabe lembrar que, de 1971 a 1974, era praxe encomendar a duplas de compositores da MPB a criação de trilhas sonoras de novelas. Nessa seara, o trabalho de Toquinho & Vinicius para O Bem-amado – perpetuado no LP lançado em 1973 com a trilha sonora nacional da novela (disco editado em CD em 2001 pela gravadora Som Livre) – sobressai, rivalizando inclusive com os melhores álbuns da dupla, dissolvida em julho de 1980 com a morte de Vinicius.
Antológica pela excelência artística e pela popularidade alcançada por músicas como Meu pai Oxalá, afro-samba que a cantora Daniela Mercury pôs na rota dos trios elétricos da Bahia ao regravar a música para o álbum Balé mulato (2005), a trilha sonora original de O bem-amado guarda curiosidades reveladas por Toquinho em depoimento para o livro Teletema – A história da música popular através da teledramaturgia brasileira vol. 1 1964 a 1989 (2014), de Guilherme Bryan e Vincent Villari.
A mais relevante é que o aliciante samba-título O bem-amado, composto para ser o tema de abertura da novela no lugar da censurada Paiol de pólvora, foi feito somente por Toquinho, às pressas, embora creditado também a Vinicius. Desligado com os prazos rígidos de encomendas do gênero e traído pela memória, o poeta morreu acreditando ter feito o samba, pois, quando questionou Toquinho sobre a existência na trilha sonora dessa composição que lhe soava estranha, o parceiro alegou que o samba era criação da dupla.
Detalhe: quem gravou o samba O bem-amado foi o conjunto MPB4, creditado como Coral Som Livre, pois, na época, Aquiles Reis, Miltinho, Antônio José Waghabi Filho (1943 – 2012) – o Magro – e Ruy Faria (1937 – 2018) estavam contratados pela gravadora Philips.
Composição de letra explosiva, composta pela dupla para saudar a abertura do Teatro Paiol em Curitiba (PR) e reaproveitada na trilha, Paiol de pólvora foi vetada pela censura para a abertura da novela, mas entrou no disco, abrindo o LP nas vozes de Toquinho & Vinicius.
Formatada com produção musical de João Mello, a trilha sonora da novela O bem-amado foi magistralmente orquestrada pelos maestros Chiquinho de Moraes e Rogério Duprat (1932 – 2006). Os arranjos valorizaram repertório geralmente inspirado, como exemplificam os sambas Um pouco mais de consideração – interpretado somente por Toquinho – e Veja você, gravado por Toquinho com Maria Creuza.
Cantora baiana, Maria Creuza era a intérprete preferencial da dupla Toquinho & Vinicius e, por isso, sola músicas como a tristonha canção Se o amor quiser voltar – reprisada na trilha em registro instrumental feito pelo maestro Waltel Branco (1929 – 2018) sob o crédito de Orquestra Som Livre – e a bobinha Patota de Ipanema, cuja letra embute gírias da juventude carioca para retratar a turma da cidade do Rio de Janeiro (RJ) que, na trama de Dias Gomes, foi parar em Sucupira.
Exceto por essa música dispensável, Toquinho & Vinicius se mostraram em estado de graça na criação da trilha, ainda que algumas músicas já estivessem prontas quando a dupla recebeu o convite. Foi o caso de Cotidiano nº 2, cujo título alude a Cotidiano (1971), música de Chico Buarque lançada pelo autor há dois anos.
Mesmo distante da leveza que pautava o repertório dos compositores, a abolerada canção Quem és? – versão em português de música do compositor italiano Sergio Endrigo (1933 – 2005) – é valorizada na trilha sonora por ter sido gravada por Nora Ney (1922 – 2003), cantora de voz grave, projetada na era do rádio e do samba-canção.
A composição No colo da serra fecha o disco nas vozes de Toquinho & Vinicius, bem-amados parceiros que deram expressiva contribuição à teledramaturgia brasileira com a criação da trilha sonora dessa novela que marcou época – inclusive por ter sido a primeira transmitida em cores – e que reestreia na plataforma Globoplay com música tão antológica quanto a trama de caráter político, impressionantemente atual.