Novo Chevrolet Prisma: o que se sabe até agora


Sedã será lançado até o final do ano. Modelo terá visual idêntico ao modelo já apresentado na China. Futura geração do Prisma está em desenvolvimento no Brasil
Chevrolet/Divulgação
Carro camuflado, com preenchimento para disfarçar alguns traços da carroceria, lanternas falsas e vidros totalmente escurecidos. Desta forma, cheia de mistérios, a Chevrolet fez a primeira apresentação da nova geração do Prisma na última quinta-feira (11).
Aliás, por enquanto, nem o nome Prisma pode ser confirmado. O modelo também poderá ser batizado de Onix Sedan.
O G1 listou alguns aspectos que ajudam a explicar o novo carro da Chevrolet:
Múltiplas nacionalidades
O desenvolvimento do Prisma (e da nova família de carros compactos da Chevrolet) está sendo feito por uma equipe de 1.800 pessoas de 14 países, e liderada por um brasileiro, Gregório Del Rio. A plataforma foi criada em parceria com a divisão chinesa da empresa. Por lá, o modelo já foi revelado.
Nova geração do Prisma chama Onix na China
Chevrolet/Divulgação
Chega no fim do ano, mas ainda não tem nome
Pode ser Prisma ou Onix Sedan. Os executivos da Chevrolet presentes na apresentação não confirmaram qual será o batismo oficial do sedã. Certo é que Onix se tornou um nome global da empresa. Mas isso não quer dizer que outras opções não possam ser usadas.
Sobre a data de chegada, a empresa se resumiu a dizer que será no final deste ano, e que o sedã é o primeiro modelo da nova família a começar a ser vendido no Brasil. Nem o local de produção foi informado.
Vale lembrar que a Chevrolet apresenta o novo Tracker (outro membro desta família) na próxima terça-feira, no Salão de Xangai. O modelo já roda em testes no Brasil.
Antes e depois do Choevrolet Prisma
Divulgação
Mais próximo do Cobalt
A Chevrolet ainda não divulgou as medidas do modelo. No entanto, a marca disse que ele não irá substituir nenhum produto atual. “Quero reforçar que esse modelo soma, e não substitui o Cobalt”, explica Rodrigo Fioco, diretor de marketing da GM do Brasil.
Isso quer dizer que ele terá porte maior do que Prisma atual, mas ligeiramente menor do que o Cobalt, que tem 4,48 metros de comprimento e 2,62 m de entre-eixos.
Segundo a vice-presidente de engenharia da Chevrolet, Fabíola Rogano, o porta-malas deve seguir a mesma lógica, de ter mais do que os 500 litros do Prisma, mas menos do que os 563 l do Cobalt.
Novo Chevrolet Prisma
Divulgação/Chevrolet
Rival para o Virtus
Além de crescido, o novo Prisma também vai ficar mais refinado. Tudo isso para concorrer com outros sedãs recém-lançados, como Volkswagen Virtus, Toyota Yaris e Fiat Cronos. Atualmente, o Cobalt não consegue fazer essa função.
Para isso, o novo sedã da Chevrolet deve trazer equipamentos compatíveis com uma faixa de preços mais alta. A unidade camuflada que a fabricante mostrou trazia acesso por chave presencial e faróis com assinatura de LED, por exemplo. As rodas eram de 16 polegadas.
Também é esperado que a GM ofereça um pacote reforçado em itens de segurança – atualmente nenhum compacto da empresa oferece controles de tração e estabilidade ou airbags adicionais aos dois obrigatórios por lei.
Além disso, o acabamento deve ser superior ao do Prisma atual – que concorre em uma faixa de preços mais baixa.
Vem com turbo
Outra novidade é a adoção de motor turbo – a Chevrolet ainda não confirmou qual será a motorização exata, nem se haverá também opções de propulsores aspirados. Provavelmente, o escolhido será um 1.0 de 3 cilindros.
Novo Chevrolet Prisma
Divulgação/Chevrolet
Igual, mas diferente
Como as fotos mostram, o Prisma nacional ainda não teve seu desenho revelado. Questionado se ele seguiria o modelo chinês, Fioco, despistou. “A estrutura será a mesma. Mas acabamento, motores e outros detalhes são específicos de cada mercado”.
Pelo que pode ser visto (e tocado), a carroceria será idêntica ao modelo chinês. Isso vale para as formas dos para-choques, com todos os apliques, o indicador de seta na lateral, retrovisores, faróis e grade.
As lanternas ainda eram provisórias, o que pode indicar alguma diferença nas lentes. As rodas de 16 polegadas tinham o mesmo desenho do modelo chinês, mas eram prateadas, em vez de pretas.
Não foi possível ver com clareza o interior – afinal as janelas estavam com película escura e o painel era coberto por uma capa.