Nos 70 anos da TV, veja 10 curiosidades de novelas clássicas que estão de volta


Cardápio vasto de tramas está disponível para celebrar a data, nesta sexta. Para entrar no clima, leia fatos surpreendentes sobre ‘Vale tudo’, ‘Explode coração’, ‘Laços de família’ e outras. 10 fatos surpreendentes sobre novelas antigas que estão bombando na TV e no Globoplay
Um cardápio vasto de novelas clássicas está disponível na Globo, canal Viva e Globoplay para celebrar os 70 anos na TV brasileira, nesta sexta-feira (18). Para entrar no clima, leia abaixo 10 curiosidades sobre as tramas antigas que estão de volta, com dados de pesquisa do Memória Globo.
1. Doações de medula
Só de ouvir “Love by grace”, de Lara Fabian, já dá vontade de chorar. A música embala a cena de Camila (Carolina Dieckmann) raspando os cabelos em “Laços de família”, durante o tratamento da leucemia. É uma das sequências mais lembradas da história das novelas.
Carolina Dieckmann em ‘Laços de família’
Roberto Steinberger/TV Globo.
Mas ela também teve impacto na luta de pacientes reais contra a doença. Na época do novela, o “efeito Camila” aumentou significativamente o número de doadores de sangue, órgãos e medula óssea no Brasil.
A cena foi usada numa campanha da Globo pela doação de medula. Nas semanas depois do último capítulo da trama, o Instituto Nacional do Câncer teve quase 150 novos cadastramentos. Antes, o índice era de 10 por mês.
2. Estreias
Os mais novinhos talvez não saibam que “Laços de família” marcou a estreia de Reynaldo Gianecchini na TV.
Ele vive o médico Edu, que engata um namoro com Helena (Vera Fischer), mas depois acaba se apaixonando pela filha dela, Camila.
Reynaldo Gianecchini e Vera Fischer em ‘Laços de família’
Jorge Baumann/TV Globo.
Não foi só ele: Juliana Paes também estreou nas novelas durante a trama, após uma participação em “Malhação”.
3. Superprodução
“Mulheres apaixonadas”, mais uma obra do autor Manoel Carlos, incluiu outra cena inesquecível.
Tony Ramos e Vanessa Gerbelli em ‘Mulheres apaixonadas’
João Miguel Junior/TV Globo
A sequência em que os personagens Téo (Tony Ramos) e Fernanda (Vanessa Gerbelli) são baleados numa rua do Leblon foi uma das mais trabalhosas de toda a novela.
Ela envolveu 400 profissionais e mais de 120 carros. A equipe de efeitos especiais preparou mais de 500 tiros de festim pra usar durante a gravação.
4. Denúncias de violência
Um dos temas que são discutidos em “Mulheres apaixonadas” é a violência contra a mulher. O personagem Marcos (Dan Stulbach) usa uma raquete pra espancar a mulher, Raquel (Helena Ranaldi).
Helena Ranaldi e Dan Stulbach em ‘Mulheres apaixonadas’
TV Globo/Renato Rocha Miranda
Depois da cena em que a personagem decide denunciar o marido na ficção, a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher, no Rio, teve um aumento de mais de 40% no número de denúncias de violência doméstica.
5. Troca de papel
Sabia que Adriana Esteves quase não ficou com o papel principal de “A indomada”? Ela tinha sido escalada para fazer outro personagem, Grampola, uma mulher mais jovem.
Carlos Alberto Riccelli e Adriana Esteves em ‘A Indomada’
Jorge Baumann/Globo
Adriana conta que conversou com o diretor Paulo Ubiratan e disse que se sentia madura demais para esse papel. Depois disso, acabou sendo convidada pra fazer a protagonista, Helena.
6. Amor virtual
Em pleno ano de 1995, o casal protagonista de “Explode coração” se conhece e se apaixona… pela internet.
Edson Celulari em ‘Explode coração’
Jorge Baumann/Globo
A trama de Gloria Perez retratou o início da popularização dos computadores no Brasil.
7. Menino ou menina?
Um dos destaques de “Chocolate com pimenta” é o figurino. Uma bordadeira e uma chapeleira ficavam de plantão pra ajudar na caracterização de época dos personagens.
Um dos que usavam muito esses adereços era o ator Kayky Brito. Ele passou boa parte da novela com lindos vestidos, laços e chapéus porque seu personagem, a Bernadete, era criado pela família como menina.
Kayky Brito em Chocolate com Pimenta
Gianne Carvalho/TV Globo
Kayky tinha até que alongar os cabelos antes de entrar em cena. A equipe de caracterização aplicava uma técnica com cabelo natural. Quase 300 mechas eram usadas no ator.
8. Jantar com Jorge Amado
Foi a própria Betty Faria, protagonista de “Tieta”, quem negociou com o escritor Jorge Amado a compra dos direitos para adaptação do livro para TV.
Betty Faria em ‘Tieta’
Bazilio Calazans/Globo
A atriz conta que, antes disso, nos anos 70, foi a um jantar com o autor. Na ocasião, a mulher dele, Zélia Gattai, falou que Amado estava escrevendo um livro com uma história feita sob medida pra Betty.
9. Críticos não entenderam
O autor de tieta, Aguinaldo Silva, diz que a novela é uma metáfora sobre a volta da liberdade de expressão na TV, depois de anos de censura imposta pela ditadura militar no Brasil.
Arlete Salles, Betty Faria, Cássio Gabus Mendes e Paulo Nigri em ‘Tieta’, 1989.
Bazilio Calazans/Globo
Há até uma cena em que Tieta arranca de um calendário a data em que foi promulgado o AI-5, um dos atos mais repressivos desse período. Mas Aguinaldo conta que, na época, pouquíssimos críticos perceberam essa referência.
10. Quem matou Odete Roitman?
E que, em 1989, o Brasil parou para saber quem matou Odete Roitman (Beatriz Segall), todo mundo sabe.
Beatriz Segall como Odete Roitman em ‘Vale tudo’
Acervo TV Globo
O que talvez muita gente não saiba é que teve até um concurso na época, patrocinado por uma marca de alimentos, para premiar quem acertasse o nome do assassino.
Para aumentar o suspense, os autores de “Vale tudo” escreveram cinco versões pro final da novela. Os atores só tiveram acesso ao roteiro na hora de gravar as cenas.