Nissan suspende contratos de trabalhadores de produção no Brasil por 1 mês


Paralisação da fábrica de Resende (RJ) foi estendida para 21 de maio. Outras áreas, como a administrativa, passam por reduções de carga horária e de salários. Complexo industrial da Nissan em Resende, no Rio de Janeiro
Rafael Miotto / G1
A Nissan decidiu adotar a suspensão dos contratos de trabalho de seus trabalhadores de produção no Brasil por um mês, informou a empresa ao G1. Com a sua fábrica em Resende (RJ) paralisada desde 23 de março por causa da pandemia de coronavírus, a montadora adotou a medida nesta quarta-feira (22).
Coronavírus: veja os efeitos na indústria automotiva
A medida vale até 21 de maio, mesmo prazo para o qual a inatividade das linhas de montagem foi estendida. Essa suspensão dos contratos também vale para outras áreas da empresa, porém, a maioria dos outros funcionários, como o de partes administrativas, passam por redução na jornada de trabalho e no salário.
Ainda não foi informado de quanto é essa redução, e nem como fica a situação do salário dos funcionários com contratos suspensos. O G1 questionou a Nissan sobre esses pontos, e aguarda o posicionamento da montadora.
De acordo com a fabricante, as medidas se baseiam na Medida Provisória 936, um programa emergencial do governo federal para manter empregos e rendas. No Brasil, a Nissan tem mais de 2.400 funcionários, entre escritório, fábrica e centro de treinamento.
Initial plugin text