Nelson Sargento escreveu ‘Agoniza mas não morre’, entre outros sucessos; confira


Um dos principais nomes do samba e da música popular brasileira, Sargento morreu nesta quinta-feira (27), aos 96 anos, vítima da Covid-19. Ele estava internado desde sexta-feira (21). Nelson Sargento durante ensaio fotográfico na Cidade das Artes, Rio de Janeiro, em setembro de 2014
Claudia Martini/Enquadrar/Estadão Conteúdo/Arquivo
Nelson Sargento foi um dos principais nomes do samba e da música popular brasileira.
Uma de suas mais famosas composições é ‘Agoniza mas não morre’, cujos primeiros versos ele entoou quando recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid, em janeiro deste ano.
“Samba, agoniza mas não morre, alguém sempre te socorre, antes do suspiro derradeiro”, cantou.
LEIA MAIS:
Momentos marcantes de Sargento em FOTOS
VÍDEO: reveja homenagem do aniversário de 90 anos de Sargento
Ao lado de Alfredo Português, em 1955, Sargento escreveu ‘Primavera’, samba-enredo que também ficou conhecido como ‘As quatro estações’. Até hoje, muitos consideram um dos sambas mais bonitos de todos os tempos.
Outros sambas feitos por ele são ‘Cântico à natureza’; ‘Encanto da Paisagem’; ‘Falso amor sincero’; ‘Século do samba’; e ‘Acabou meu sossego’.
O sambista morreu nesta quinta-feira (27), aos 96 anos, vítima da Covid-19. Ele estava internado desde sexta-feira (21). O Instituto Nacional do Câncer (Inca) informou que a morte foi às 10h45.
Além da idade avançada, Nelson também sofreu com um câncer de próstata anos atrás.