‘Não teve legítima defesa’, diz promotor do caso de youtuber morta

Gladyson Ishioka, promotor responsável pelo caso da morte de Isabelly Cristine Santos, de 14 anos,  fez uma declaração nesta sexta-feira (16) a respeito da versão dos acusados de matar a youtuber com um tiro na cabeça. Os dois suspeitos alegaram que agiram em legítima defesa.

“Pelo que foi informado até o momento, a legítima defesa não ocorreu. Ainda não se comprovou uma ação que justificasse essa reação. E ainda que houvesse essa ação, seria muito desproporcional a reação”, disse o promotor, de acordo com o G1.

+ ‘Não perdoo’, diz mãe de youtuber morta com tiro na cabeça

A adolescente estava no banco de trás do carro da família, por volta das 2h da manhã do dia 14, quando foi baleada na cabeça. Ela foi levada ao hospital, mas teve morte cerebral.

A  delegada Vanessa Alice, que pegou o caso assim que ele ocorreu, disse que “a princípio, não houve briga, não houve discussão. Houve, sim, uma fechada de um veículo no outro. Daí saiu em pequena perseguição e acabou culminando no disparo”.

“Uma discussão de trânsito, por óbvio, não justifica uma atitude dessa. Ainda que haja a briga de trânsito é óbvio que isso não pode eximir a responsabilidade de quem tenha efetuado os disparos em um carro com pessoas dentro”, disse Ishioka.