Museu Nacional faz vaquinha online para reconstruir biblioteca

Campanha busca levantar R$ 129 mil para reconstruir biblioteca de antropologia

Campanha busca levantar R$ 129 mil para reconstruir biblioteca de antropologia
UFRJ

A Associação Amigos do Museu Nacional organizou uma vaquinha online para levantar fundos e reconstruir a biblioteca de Antropologia Francisca Keller, que abrigava o maior acervo sobre o tema na América do Sul, e foi destruída pelas chamas que atingiram o prédio centenário em 2 de setembro de 2018, no Rio de Janeiro. 

Um ano após o incêndio, mais de 400 pessoas fizeram doações por meio de uma plataforma online para contribuir com a iniciativa. A campanha conseguiu levantar até agora cerca de R$ 110 mil. A primeira meta era de R$ 59 mil e, nesta segunda etapa, o objetivo é alcançar R$ 129 mil até 12 de setembro. .

Esse dinheiro será usado para executar o projeto arquitetônico do novo prédio, criado por alunos e professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, adquirir móveis e equipamentos de segurança para as novas instalações.

Leia também: Museu Nacional passa por restruturação e reabre em 2022

Há também um movimento para repor os títulos que estavam na biblioteca. Nos próximos três anos, cerca de 40 mil títulos deverão ser doados para ser o acervo do novo prédio. Museus e universidades brasileiras e estrangeiras doaram, até o momento, 10 mil livros e outros 8 mil títulos estão em processo para serem entregues.

A Biblioteca Francisca Keller fazia parte do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, do Museu Nacional, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro. As chamas destruíram obras de referência, livros, periódicos, teses, dissertações, anais de congressos, folhetos, entre outros materiais especiais.

Leia mais: Pesquisadores usam cinzas do Museu Nacional para reconstruir acervo destruído em incêndio

As doações para a vaquinha começam em R$ 20 reais e chegam a cotas de R$ 12 mil. Cada faixa de valor tem uma recompensa ao doador que pode ser desde agradecimentos no site oficial até a inclusão da logo marca da empresa doadora em um mural. 

Veja também:

Vejas as peças egípcias do Museu Nacional que foram recuperadas