Mudanças do Enem e no Encceja serão discutidas em grupo de trabalho do MEC


Representantes das principais entidades educacionais do país farão parte do debate. Inep, responsável pelas provas, ainda não adiantou quais tipos de modificações estarão em pauta – mas alterações nos conteúdos cobrados e na frequência de aplicação devem ser debatidas. Provas do Enem devem sofrer mudanças
Divulgação
Mudanças no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (​Encceja) serão debatidas em um grupo de trabalho do Ministério da Educação (MEC), segundo o Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (18).
O G1 entrou em contato com a pasta para saber que tipo de alteração estará em pauta – periodicidade do exame, conteúdo cobrado nas questões ou formato da avaliação, por exemplo -, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.
LEIA TAMBÉM:
MEDO DA COVID: Candidatos que faltaram ao Enem 2020 perdem isenção da taxa em 2021
NA VELOCIDADE 2X: Estudantes aceleram vídeos de aulas da faculdade
REDAÇÕES NOTA MIL: Veja exemplos do Enem 2020
A equipe que discutirá as atualizações nas duas provas será formada por representantes do governo – membros do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que organiza os exames, e integrantes de secretarias como a de Educação Básica (SEB) e a de Educação Superior (Sesu), por exemplo.
O grupo também contará com a participação de importantes entidades educacionais do país, como o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e o Conselho Nacional de Educação (CNE).
‘Prova ultrapassada’
Em 27 de maio, a presidente do CNE, Maria Helena Guimarães de Castro, afirmou que o modelo atual do Enem é “ultrapassado” — tanto no conteúdo quanto na logística de aplicação. E já adiantou, naquela data, que o MEC e o Inep iniciariam conversas sobre possíveis mudanças no exame.
Ela defendeu uma reformulação da prova, a longo prazo.
“O Enem atual só existe na China e no Brasil. Nem Estados Unidos, nem Rússia, nem Índia: nenhum país extremamente populoso tem exame em um dia só, que mobiliza Exército, FAB [Força Aérea Brasileira], 6 milhões de provas impressas, [contratação de] aplicadores”, disse. “É uma operação gigantesca que não faz sentido num mundo conectado à internet.”
Segundo a presidente do CNE, as atualizações não deverão ser feitas já para a próxima edição do Enem. “Eu me refiro ao planejamento futuro. Desde 2009, quando a prova foi transformada em vestibular nacional, está em discussão esta mudança”, afirmou.
Ela sugeriu os seguintes pontos:
aplicação 100% digital, para evitar os gastos com transporte e impressão da prova;
frequência maior, de duas a três vezes ao ano;
adaptação das matérias cobradas, para que fiquem compatíveis à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que estipula o mínimo a ser ensinado nas escolas.
“É preciso adaptar o novo Enem às novas matrizes da BNCC. A prova atual é um conjunto de conteúdos que não fazem sentido para um Congresso que está discutindo empreendedorismo, temas transversais e competências do século XXI, como criatividade e trabalho em equipe”, disse.
“O modelo atual é absolutamente superado, seja nos conteúdos avaliados ou na logística gigantesca e caríssima.”
Mudanças já em curso
Abaixo, veja quais mudanças estão sendo implementadas no Enem:
Na edição de 2020, houve a estreia do formato digital, restrita apenas a uma pequena parcela de candidatos (96.086, com taxa de abstenção de 71,3%). Segundo o Inep, a ideia é que a prova seja 100% informatizada até 2026.
O chamado “Enem seriado” ocorreria por meio do novo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Neste modelo, alunos do ensino médio são avaliados ao fim de cada ano escolar. A nota final é uma média de desempenho nas provas de cada um dos três anos do ciclo. No entanto, a aplicação do Saeb em 2021 ainda está em discussão.
E o Encceja?
O Encceja é voltado para adultos que não concluíram os estudos na idade correta e que buscam um “diploma” que comprove que eles têm conhecimentos equivalentes ao ensino fundamental ou ao ensino médio.
Dependendo da pontuação na prova, podem conseguir o “diploma”.
O grupo de trabalho do MEC debaterá alterações no formato atual. Saiba mais sobre o funcionamento do Encceja e veja dicas para se preparar para a prova.