Movimento em rodovias tem maior queda da história em abril, aponta ABCR

Índice mostrou tombo de 43,8% contra um ano antes nas estradas sob concessão e de 31,7% sobre março. O Índice ABCR de atividade — que mede o movimento nas estradas sob concessão e é construído pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) juntamente com a Tendências Consultoria Integrada — caiu 43,8% em abril, em relação ao mesmo período de 2019
O fluxo pedagiado de veículos leves registrou recuo de 51,5%, enquanto o fluxo de veículos pesados caiu 20,5%.
Considerando os dados dessazonalizados, abril apresentou queda de 31,7% em comparação com março. Nessa base de comparação, o índice de fluxo pedagiado de veículos leves caiu 36,7%, enquanto o de pesados recuou 19,1%.
“A queda dos veículos leves foi superior ao dos pesados por questões sanitárias e econômicas, enquanto os pesados mantiveram-se em movimento ao suprirem a cadeia de atividades básicas”, afirma Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria. “
Houve sensível redução de movimento nas estradas nas principais métricas de desempenho de curto prazo — com base nas comparações mensais —, comportamento semelhante ao observado em todas os estados analisadas.”
Em março, a queda do índice ABCR já tinha sido histórica (-18,4%), superando inclusive o período da greve dos caminhoneiros, em 2018, mas foi impactado pelos fechamentos e diminuição do fluxo por causa da pandemia apenas no final do mês. Agora, em abril, a queda foi ainda maior, como era de se esperar, visto que a política de isolamento social se manteve por todo o mês.
Mapeamento revela que rodovias são vias de dispersão do novo coronavírus