Mourão espera ‘cooperação’ do novo ministro do Meio Ambiente e diz que Salles ‘cumpriu sua tarefa’

Salles pediu demissão nesta quarta; novo ministro é Joaquim Leite, que já atuava na pasta. Mourão, que preside Conselho da Amazônia, terá primeira reunião com Leite nesta sexta. O vice-presidente Hamilton Mourão, que comanda o Conselho Nacional da Amazônia, afirmou nesta quinta-feira (24) que o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles “cumpriu sua tarefa” e que espera “cooperação” do novo titular da pasta, Joaquim Leite.
O presidente Jair Bolsonaro exonerou Salles nesta quarta-feira (23), um dia após repetir os elogios que costumava fazer à gestão do ex-ministro – criticada por ambientalistas, empresários e parlamentares. Salles é investigado em uma operação da Polícia Federal contra exportação ilegal de madeira.
Para o lugar de Salles, Bolsonaro nomeou Joaquim Leite, que era secretário de Amazônia e Serviços Ambientais do próprio ministério. Antes de integrar o governo, o novo ministro do Meio Ambiente foi conselheiro da Sociedade Rural Brasileira (SRB), uma das organizações que representam o setor agropecuário no país.
Joaquim Álvaro Pereira Leite, novo ministro do Meio Ambiente, já despacha do ministério
À frente do Conselho da Amazônia, Mourão precisa coordenar ações com o Meio Ambiente. Ao comentar a troca nesta quinta, o vice-presidente disse esperar cooperação do novo ministro.
“O Salles pediu demissão, né. Não sei quais foram os motivos que o levaram a pedir demissão, então, cumpriu sua tarefa aí. O Joaquim tem trabalhado com a gente ao longo desse período que eu estou no Conselho Nacional da Amazônia, ele é o secretário de Amazônia, a gente tem um bom relacionamento e eu espero cooperação da parte dele”, disse.
Mourão e Salles não mantinham uma boa relação nos últimos meses. Na última reunião do Conselho da Amazônia, Salles não compareceu e não enviou representante, o que foi considerado uma grosseria por Mourão.
Mourão critica Salles por faltar em reunião: falta de educação
Questionado se a troca na pasta mudará a política ambiental do governo, que enfrenta críticas pelas altas no desmatamento e queimadas, Mourão diz que a “política vem sendo executada” e reforçou a necessidade de reforçar o quadro de funcionários de agências como Ibama e ICMBio.
Mourão ainda informou que terá uma reunião nesta sexta-feira (25) com o novo ministro para “pedir cooperação nas operações” e saber quais são as necessidades de Leite no cargo.
O governo planeja iniciar na próxima semana uma nova operação com emprego das Forças Armadas no combate à crimes ambientais na Amazônia – Bolsonaro, contudo, ainda não assinou o decreto que autoriza a ação.
Ricardo Salles: veja as investigações contra o ex-ministro do Meio Ambiente