Mory Kanté, lenda da música africana, morre aos 70 anos


Segundo seu empresário, o músico morreu enquanto dormia e causa é desconhecida. Mory Kanté durante show em festival em Rabat, Marrocos, em 2007
REUTERS/Rafael Marchante
O músico Mory Kanté, que ajudou a música africana a conquistar um público global, morreu nesta sexta-feira (22), aos 70 anos, na Guiné, segundo informou o empresário do artista.
Durante sua longa carreira, Kanté progrediu da aclamação regional como tocador de kora, instrumento tradicional da África Ocidental, ao estrelato internacional nos anos 1980 com “Yeke Yeke”, sucesso que liderou as paradas.
“Mory morreu dormindo na noite passada em Conacri”, disse seu empresário, Juan Yriart, à Reuters por telefone. “A causa é desconhecida.”
Yriart disse que Kanté estava planejando várias apresentações que depois foram adiadas para o ano que vem por causa do surto de coronavírus.
Nascido em 1950, Kanté rodou o mundo como principal representante do cenário musical africano e voltou para sua terra natal nos anos 2000, onde defendeu causas para ajudar refugiados e salvar florestas ameaçadas, de acordo com uma biografia em seu site.
Ele continuou fazendo música, e em 2014 se uniu a outros ícones da música africana para criar a canção “Africa Stop Ebola” em reação à epidemia que matou mais de 11.300 pessoas.