Mercado de livros no Brasil caiu 25% entre 2006 e 2018, diz estudo

Levando em conta inflação do período, faturamento caiu de R$ 6,8 bilhões para R$ 5,1 bilhões. Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro é feita pela Fipe por encomenda da Câmara Brasileira do Livro e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros. O mercado de livros do Brasil teve uma queda real de 25% entre 2006 e 2018, informa a edição mais recente da pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, divulgada nesta terça-feira (28). O resultado leva em conta a inflação do período.
O faturamento em 2006 foi de R$ 6,8 bilhões, em valor atualizado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em 2018, foi de R$ 5,1 bilhões.
Já o número de exemplares vendidos, no entanto, cresceu de 388,56 milhões de cópias para 352,02. Contudo, o preço médio dos livros caiu 34%, o que explica, em parte, a redução no faturamento.
O estudo, que leva em conta vendas para o mercado e para o governo, parte de uma estimativa de dados dados colhidos a partir de uma amostra das editoras, do desempenho do setor e dos subsetores no período.
Ele é feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), por encomenda da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel).
As editoras são classificadas em quatro tipos:
Didáticos
Obras gerais
Religiosos
Científicos, Técnicos e Profissionais (CTP)
Entre 2006 e 2018, o setor setor Religiosos foi o que teve melhor resultado entre os quatro, com redução de 4% do faturamento no período.