Menopausa melhora os sintomas do lúpus. Entenda a doença

O que é o lúpus? É uma doença inflamatória autoimune e sem cura. Segundo o reumatologista Evandro Klumb, membro
da Comissão de Lúpus da SBR (Sociedade Brasileira de Reumatologia), ela ocorre por um desequilíbrio do sistema imunológico que favorece o aparecimento de inflamações em diversos órgãos. Para desenvolver a doença, é preciso ter predisposição genética. Ela pode ser desencadeada, ou agravada, por fatores ambientais, como radiação ultravioleta, tabagismo, hormônios e desequilíbrio emocional

O que quer dizer a palavra lúpus? No latim, lúpus significa lobo. Segundo o reumatologista, uma das histórias mais aceitas é a de que a lesão avermelhada que aparece na face do paciente lembraria a mancha que geralmente aparece na face dos lobos. Outra justificativa é a de que, por volta dos séculos 17 e 18, a ferida foi descrita como parecida com a mordida de um lobo naquela região. Porém, Klumb acredita que a lesão seja mais parecida com as asas de uma borboleta

Existe mais de um tipo de lúpus? Sim. O lúpus é dividido em dois tipos: o cutâneo, que afeta a pele, causando diversos tipos de lesões e que pode levar até a verrugas; e o lúpus eritematoso sistêmico (LES), que se manifesta em vários órgãos. Entre os órgãos que apresentam maior frequência de lesões estão pele, articulações, membranas que cobrem o coração e o pulmão e inflamações nos rins

Quais são os sintomas do lúpus? O lúpus pode se manifestar por meio de pele, cansaço, fadiga, queda de cabelo, dores nas juntas, desânimo, dor para respirar, falta de ar, inchaço nas pernas, emagrecimento e anemia

Como é feito o diagnóstico? O diagnóstico é feito a partir da soma da história clínica do paciente, com os sintomas e a maneira como as inflamações se manifestam. São necessários também exames de sangue, que detectam anemia, número de plaquetas e de glóbulos brancos, e o exame FAN (fator anti-nuclear), que detecta os anticorpos que atacam as células. É necessário também analisar alterações na urina por meio de exames

Em quem o lúpus é prevalente? De acordo com o reumatologista, cerca de 90% das pessoas portadoras de lúpus são mulheres em idade fértil, entre 15 e 50 anos. Klumb afirma que esse número se dá por genes associados ao cromossomo X (feminino) e aos níveis de estrogênio. O reumatologista afirma que, quanto maior a quantidade de estrogênio presente no sangue, há maior desequilíbrio do sistema imunológico, produzindo maior quantidade de células que atacarão os órgãos

Como é feito o tratamento para lúpus? O tratamento é realizado com medicamentos que fazem a modulação do sistema imune, com imunomoduladores, corticoides para as inflamações e imunossupressores. O tratamento é realizado de forma a promover o reequilíbrio do sistema imune. O tratamento é oferecido de maneira gratuita pelo SUS

Estresse desencadeia o lúpus? Klumb afirma que o desequilíbrio emocional, com acontecimentos de grande impacto ao paciente, como a perda de um familiar ou uma separação, podem desencadear o lúpus ou agravá-lo. Isso ocorre, pois esse desequilíbrio das emoções faz com que haja, também, o desequilíbrio do sistema imunológico

A menopausa alivia o lúpus? Sim. O médico afirma que, ao sair da idade fértil, há uma diminuição dos sintomas do lúpus devido à interrupção de produção do hormônio estrogênio, que causa desequilíbrio no sistema imunológico. Porém, a menopausa não cura o lúpus, visto que o hormônio não é causador da doença. Em mulheres que fazem reposição hormonal, pode ser que os sintomas continuem ou aumentem

Quem tem lúpus pode usar anticoncepcional? Sim, desde que o anticoncepcional não contenha estrogênio. Klumb afirma que os métodos que contenham apenas progesterona são mais indicados para essas pacientes

Mulheres com lúpus podem engravidar? Sim. Porém, Klumb afirma que a gravidez deve ser planejada, de forma que ocorra em fase de remissão da doença. Se a gravidez ocorre em fase ativa da doença, a condição pode favorecer as chances de aborto espontâneo, prematuridade, morte fetal e pré-eclâmpsia. Caso ocorra uma crise durante a gravidez, a mulher pode continuar a tratar o lúpus

Medicamentos para lúpus podem ser usados em conjunto com remédios para outras doenças? Segundo o site da Sociedade Brasileira de Reumatologia, alguns medicamentos para hipertensão, colesterol e alguns antibióticos podem fazer com que haja interferência com os sintomas do lúpus ou provocar sintomas semelhantes. O aconselhado é que o paciente procure seu reumatologista para discutir qual o medicamento mais adequado
*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini