MC Zaquin começou na igreja, viralizou com funk caseiro e virou hitmaker e aposta de gravadora


Um dos MCs mais tocados no Brasil é filho de pastores, vendeu água no sinal após morte do pai, viralizou com ‘ousadia light’, virou aposta da Universal Music e grava parcerias até com Belo. MC Zaquin
Divulgação
Isac César das Graças, 20 anos, foi de baixista mirim da pequena Comunidade Evangélica Unidos em Cristo, na Zona Norte de Belo Horizonte, a um dos funkeiros mais tocados no Brasil e aposta no Brasil da multinacional Universal Music.
MC Zaquin, cantor de “Não nasceu pra namorar”, o funk mais tocado no país em agosto de 2021, tem outras duas músicas nas paradas atuais: “Ô moça” e “Ei tudo bem”. A voz melódica de Zaquin ainda deve ser ouvida em parcerias já gravadas com o funkeiro Kevin O Chris e o pagodeiro Belo.
O podcast g1 ouviu explica o som “brisado” dos mineiros e conversa com os músicos que criaram essa batida viajada, que todo mundo quer dançar em desafios no TikTok e copiar no resto do Brasil. Ouça abaixo.
Os DJs criaram uma levada lenta e envolvente com uma variedade incrível de sons: barulho de latinha, chiado, violino recortado, flauta sintetizada, toque de telefone, gritinho de Bob Esponja, Pikachu e Pica-Pau, luta de Mortal Kombat, King of Fighters…
O gosto de Zaquin pela melodia e por letras (um pouco) menos sexuais do que a média do funk de BH tem explicação: ele aprendeu a cantar na igreja do bairro de Venda Nova onde seus pais eram pastores.
“Comecei no grupo de louvor na igreja. Tocava contrabaixo. Aí comecei pedindo uma chance para cantar. Tinha vergonha até de falar em público. Aí cantei e comecei a ganhar um gosto por música”, conta o músico. Ele ainda é evangélico, mas não frequenta a igreja tanto quanto antes.
E como ele parou de tocar na igreja e começou a cantar funk?
“Foi em 2013. Meu pai faleceu e a vida começou a piorar. Tive que começar a ralar também. Comecei a fazer uns bicos: vendia água no sinal de fone de ouvido na beira de loja. Trabalhei de pizzaiolo, auxiliar de padaria, sorveteria… Com 17 anos entrei para a Asspron (empresa de jovens aprendizes de Minas Gerais).” Depois de um ano e meio como office-boy, ele resolveu se arriscar na música.
MC Zaquin
Divulgação
Viralizou nos status do WhatsApp
O primeiro sucesso de Zaquin, de 2018, viralizou em um canal muito popular para grande parte dos brasileiros, mas ignorado pela indústria musical: os vídeos de status do WhatsApp. A música era a primeira composição dele, “Focado nela”.
“Peguei uma base de funk no YouTube, cantei a música e coloquei no status do WhatsApp. Postei e fui dormir”, lembra Zaquin. “No outro dia eu acordei com o pessoal me falando: tá todo mundo postando e perguntando quem é. Foi quando explodiu o bagulho, muito louco”.
Belo Horizonte e Belo pagodeiro
Para não assustar a mãe, evangélica, as letras sensuais são mais suaves. A “ousadia light” tinha como modelo as letras de Kevinho, ídolo de SP. Mas a base era toda no “pique BH”.
“É ritmado demais o pique daqui. Mistura tudo – é só organizar que dá certo”, ele define. “Imagina você no baile, aí ouve uma garrafinha quebrando, tum, um passarinho piando, umas panelas batendo…. Você começa a se envolver”, descreve Zaquin.
A voz dele subindo de tom em “Ô moça” é imitada por MCs de São Paulo no hit “Bipolar”. “Falavam que o funk de BH era embolado, avacalhado, que ninguém ia curtir, só o pessoal daqui mesmo. Agora os caras lá de fora estão pegando referência. Maior hipocrisia”, diz aos risos.
Com o sucesso, Zaquin fez contato com Umberto Tavares, compositor e produtor de Anitta, Ludmilla outros. A conexão carioca levou a parcerias acertadas com Kevin o Chris e até uma faixa com Belo. A música com o pagodeiro já está gravada e pronta para sair, avisa Zaquin.
MC Zaquin
Divulgação