Maria Bethânia reforça laços musicais com Paulo Dáfilin no álbum ‘Noturno’ e em live


Compositor, violonista e violeiro paulista é autor de duas músicas inéditas gravadas no disco e previstas para serem apresentadas pela cantora no show transmitido com exclusividade pela plataforma Globoplay. ♪ Intitulado Noturno e previsto para ser lançado entre março e abril deste ano de 2021, o próximo álbum de Maria Bethânia reforça os laços musicais da cantora com o compositor, músico, arranjador e produtor musical Paulo Dáfilin.
Paulista nascido em São Caetano do Sul (SP), mas com longa vivência na interiorana cidade baiana de Santo Amaro da Purificação (BA), terra natal de Bethânia, Dáfilin é autor de duas músicas inéditas incluídas pela cantora no disco gravado com produção musical de Jorge Helder e Letieres Leite.
De onde eu vim e Lapa santa (parceria de Dafilin com Roque Ferreira, compositor baiano recorrente na discografia de Bethânia) são os nomes dessas duas músicas, previstas para serem apresentadas pela cantora ao Brasil no roteiro da aguardada primeira live de Bethânia, cujo show online está programado para as 22h deste sábado, 13 de fevereiro, com transmissão exclusiva via Globoplay e sinal aberto para não-assinantes cadastrados na plataforma.
Violonista e violeiro que transita com habilidade pelo universo das canções de roça, das chulas e do samba de roda, Paulo Dáfilin é um dos quatro músicos arregimentados para tocar com Bethânia na live, cuja transmissão será feita sob direção de LP Simonetti.
Além de Dáfilin, estarão em cena, no palco de teatro da Cidade das Artes, no Rio de Janeiro (RJ), o também violonista João Camarero, o baixista Jorge Helder e o percussionista Marcelo Costa.
Com a dupla presença no álbum Noturno e na live de Bethânia, Paulo Dafilin se torna um dos artistas mais conectados com a cantora desde os anos 2010. Dáfilin integrou a banda arregimentada por Bethânia para o show Carta de amor (2012 / 2013) e tocou com a artista em algumas temporadas do recital Bethânia e as palavras, inclusive na apresentação captada em outubro de 2013, em Belo Horizonte (MG), para registro audiovisual do espetáculo centrado em textos de prosa e poesia.
Na sequência, Dáfilin teve a canção ruralista Casa de caboclo – parceria do compositor com Roque Ferreira – gravada por Bethânia no álbum de estúdio Meus quintais (2014). Em novembro de 2015, Dáfilin tocou viola caipira na gravação da música Casinha branca (Gilson e Joran, 1979) em registro fonográfico feito por Bethânia em estúdio para a trilha sonora da novela Êta mundo bom! (TV Globo, 2016) e lançado em single em junho de 2016.
Paulo Dáfilin é parceiro de Roque Ferreira em músicas gravadas por Maria Bethânia
Divulgação
♪ Além das músicas inéditas De onde eu vim (Paulo Dáfilin) e Lapa santa (Paulo Dáfilin e Roque Ferreira), o álbum Noturno traz no repertório composições já apresentadas por Maria Bethânia no show Claros breus (2020), embora ainda inéditas em disco. São os casos de A flor encarnada (Adriana Calcanhotto) e de Luminosidade (Chico César).
Standard do repertório das boates cariocas dos anos 1950, Bar da noite (Bidu Reis e Haroldo Barbosa, 1953) é outra música do show selecionada para o álbum Noturno, gravado por Bethânia em setembro de 2020 no estúdio da gravadora Biscoito Fino, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), com músicos como o pianista Zé Manoel, o violonista João Camarero e o baixista Jorge Helder.
Música de Adriana Calcanhotto lançada pela compositora em single editado em setembro do ano passado, 2 de junho (2020) também está no repertório do disco Noturno ao lado de composição inédita do jovem compositor paulistano Tim Bernardes, de título ainda não revelado.