Marcelo Jeneci se garante como ‘one man show’ ao voltar aos palcos para fazer ‘Solo’ no Rio de Janeiro


Artista se equilibra com destreza entre a sanfona e os teclados ao apresentar roteiro que incluiu ótima música inédita de tom forrozeiro. Resenha de show
Título: Solo
Artista: Marcelo Jeneci
Local: J Club (Rio de Janeiro, RJ)
Data: 16 de setembro de 2021
Cotação: * * * 1/2
♪ Músico que se equilibra bem entre os toques da sanfona e dos vários teclados que manuseia com notável destreza, Marcelo Jeneci se tornou espécie de one man show. É nesse formato solitário que o artista vem se apresentando sem banda desde 2016 com show intitulado justamente Solo.
Foi versão atualizada de Solo – turbinada com as músicas do mais recente álbum de inéditas do cantor e compositor, Guaia (2019) – que Jeneci apresentou para as cerca de 30 pessoas que compareceram ao J Club na noite de quinta-feira, 16 de setembro.
Essa apresentação no Rio de Janeiro (RJ), cidade onde reside o artista paulistano, marcou a volta de Jeneci aos palcos com o público presente na plateia. Foi por isso que o cantor falou em “sensação inaugural” ao se dirigir à plateia após ter aberto a apresentação com as músicas O rei do tempo (Marcelo Jeneci, 2016) – composição cantada em shows há cerca de cinco anos, mas ainda inédita em disco – e Palavra amor (Marcelo Jeneci e Arnaldo Antunes, 2019).
Esse início de show transcorreu morno. A apresentação começou a fluir bem a partir da terceira das 20 músicas do roteiro, Aí sim (Marcelo Jeneci e Arnaldo Antunes, 2019). Introduzida por beatbox, Aí sim se mostrou aquele tipo de música em que Jeneci sustenta toda a leveza de ser pop sem aderir à banalização desse gênero em tese genérico por abrigar composições de todos os estilos.
Hit do primeiro álbum do artista, Feito pra acabar (2010), Felicidade (Marcelo Jeneci e Chico César, 2010) também se alimentou dessa leveza pop, tendo reaparecido no bis para a alegria do público que já pedia a música.
Marcelo Jeneci toca teclados no palco do J Club, no Rio de Janeiro, em apresentação do show ‘Solo’
Mauro Ferreira / G1
De modo geral, Jeneci transitou no show Solo entre a vivacidade da música nordestina e a introspecção de temas mais densos de letras geralmente confessionais.
Música gravada pelo autor somente como convidado de Elba Ramalho em DVD da cantora paraibana, Cordas, Gonzaga e afins (2015), Gravitacional (Marcelo Jeneci, 2015) introduziu no show essa veia nordestina que pulsa forte na obra do compositor por conta de ascendência familiar.
Ao fazer espécie de aboio na abertura da canção, Jeneci evocou o universo da nação musical nordestina da qual Luiz Gonzaga (1912 – 1989) foi entronizado rei.
Por isso mesmo, foi bonito de se ver o cantor fazer Festa (Gonzaguinha, 1968), tocando sanfona e teclados enquanto dava voz aos versos apresentados na voz de Gonzagão, saudado números depois em verso de Forrozear (Geraldo Azevedo e Carlos Fernando, 1996).
Festa foi ponto alto da apresentação que, na sequência, se manteve elevada com a interpretação de Redenção (Marcelo Jeneci, 2019), canção autobiográfica do disco Guaia que se afinou com o tom confessional de Saudade do meu pai (Marcelo Jeneci 2019).
Entre uma música e outra desse álbum lançado há dois anos, o artista cantou Pra sonhar (Marcelo Jeneci, 2010), uma das joias de Feito pra acabar, disco de 2010 que projetou o compositor revelado três anos anos com a gravação da balada Amado (2007) pela parceira Vanessa da Mata.
“Foi uma bela chegada”, rememorou Jeneci ao cantar Amado com o reforço do coro do público. Sucedida pela balada A chuva (Marcelo Jeneci, 2021), a canção Emergencial (Marcelo Jeneci, Paulo Neves, Mana Bernardes e José Miguel Wisnik, 2019) perdeu no show a aura épica da gravação que abre o álbum Guaia.
Da mesma forma, A vida é bélica (Marcelo Jeneci e Isabel Lenza, 2013) teve diluída parte do poder de sedução sem a moldura roqueira da gravação do segundo álbum do artista, De graça (2103), tão excepcional quanto o antecessor Feito pra acabar.
A partir de Oxente (Marcelo Jeneci e Chico César, 2018), a apresentação ganhou pegada forrozeira. A música Café com leite de rosas (Marcelo Jeneci, Ortinho e Arnaldo Antunes, 2010) foi servida em clima de arrasta-pé, ao qual se sucedeu abordagem de Tenho sede (Dominguinhos e Anastácia, 1975).
No arremate do show, antes do bis, Jeneci manteve o tom forrozeiro ao apresentar (ótima) música inédita composta em parceria com Márcia Brandão.
Com letra motivacional que propõe o gozo existencial com dança, superação e o toque político de verso que pede “terra pro MST”, a música nova encerrou em alto astral a apresentação desse one man show que, munido de relevante obra autoral, se garantiu sozinho em cena.
Marcelo Jeneci canta e toca 20 músicas em apresentação do show ‘Solo’ no J Club
Mauro Ferreira / G1
♪ Eis o roteiro seguido em 16 de setembro de 2021 por Marcelo Jeneci em apresentação do show Solo no J Club, na cidade do Rio de Janeiro (RJ):
1. O rei do tempo (Marcelo Jeneci, 2016)
2. Palavra amor (Marcelo Jeneci e Arnaldo Antunes, 2019)
3. Aí sim (Marcelo Jeneci e Arnaldo Antunes, 2019)
4. Gravitacional (Marcelo Jeneci, 2015)
5. Festa (Gonzaguinha, 1968)
6. Redenção (Marcelo Jeneci, 2019)
7. Pra sonhar (Marcelo Jeneci, 2010)
8. Saudade do meu pai (Marcelo Jeneci, 2019)
9. Amado (Marcelo Jeneci e Vanessa da Mata, 2007)
10. Feito pra acabar (Marcelo Jeneci, Paulo Neves e José Miguel Wisnik, 2010)
11. A chuva (Marcelo Jeneci, 2011)
12. Emergencial (Marcelo Jeneci, Paulo Neves, Mana Bernardes e José Miguel Wisnik, 2019)
13. A vida é bélica (Marcelo Jeneci e Isabel Lenza, 2013)
14. Oxente (Marcelo Jeneci e Chico César, 2018)
15. Forrozear (Geraldo Azevedo e Carlos Fernando, 1996)
16. Café com leite de rosas (Marcelo Jeneci, Ortinho e Arnaldo Antunes, 2010)
17. Tenho sede (Dominguinhos e Anastácia, 1975)
18. Música inédita de Marcelo Jeneci com Márcia Brandão
Bis:
19. O melhor da vida (Marcelo Jeneci e Luiz Tatit, 2013)
20. Felicidade (Marcelo Jeneci e Chico César, 2010)