Manuscrito de samba de Tom Jobim e Chico Buarque é arrematado em leilão por 30 mil reais


Manuscrito do samba ‘Piano na Mangueira’, de Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque
Reprodução
♪ Quanto vale a música? Se for o manuscrito de parceria de Antonio Carlos Jobim (1927 – 1994) com Chico Buarque, pode valer R$ 30 mil.
Esse foi o valor pelo qual o manuscrito do samba Piano na Mangueira foi arrematado, em lance único, em leilão realizado nesta terça-feira, 6 de abril, sob o comando de Alberto Youle.
Última das 13 parcerias dos dois compositores cariocas, o samba Piano na Mangueira foi composto em 1991 – com música de Jobim e letra de Chico – e gravado originalmente por Jobim e Chico em novembro daquele ano para o álbum No tom da Mangueira, produzido por Hermínio Bello de Carvalho.
Criado para celebrar a escolha de Jobim como enredo da Mangueira no Carnaval de 1992, esse disco coletivo foi lançado no início daquele ano, mas inicialmente com distribuição restrita a formadores de opinião.
Tanto que a gravação mais conhecida do samba Piano na Mangueira foi feita em abril de 1992, em estúdio da cidade do Rio de Janeiro (RJ), para o álbum Paratodos (1993), de Chico Buarque. Jobim também se uniu a Chico nesse fonograma, tocando piano e cantando na gravação do disco de Chico.
Samba também gravado pela cantora Paula Morelenbaum em 1992, Piano na Mangueira encerrou de forma majestosa a parceria iniciada por Jobim e Chico em 1968 com a composição da canção Retrato em branco e preto.