Mais de 6 milhões ainda não se vacinaram contra a gripe

Vacina é oferecida a grupos prioritários

Vacina é oferecida a grupos prioritários
Arquivo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (11) que mais de 6 milhões de pessoas do grupo prioritário ainda não se vacinaram contra a gripe.

O grupo prioritário inclui crianças de seis meses a 5 anos, idosos acima de 60 anos, gestantes, puérperas, indígenas, profissionais de saúde, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com comorbidades, como hipertensão, diabetes e transplantados, e professores da rede pública e privada.

Saiba mais: Entenda a diferença entre gripe e resfriado

A partir de 25 de junho, ao final da campanha nacional de vacinação, a vacina da gripe também foi ampliada, em cidades onde ainda havia o imunizante disponível, para crianças de cinco a nove anos e adultos de 50 a 59 anos.

Apesar do fim da campanha, a vacina contra a gripe continua sendo oferecida nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) para o grupo prioritário.

A escolha dos grupos prioritários, considerados mais propensos a complicações da gripe, segue a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A vacina, disponível de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é a trivalente, que protege contra três tipos de vírus influenza: H1N1, H3N2 e influenza B.

Leia também: Confira tudo o que você precisa saber sobre a gripe

Segundo o Ministério, a cobertura vacinal alcançou 89%, mas ainda é considerada abaixo da meta. Gestantes e crianças continuam sendo os que menos procuram as salas de vacinação, com cobertura de 76,4% e 73,6%, respectivamente.

Até o início desta semana, 3,3 milhões de crianças e 493.710 grávidas não tinham se vacinado contra a gripe, de acordo com o boletim.

O Ministério informa que 50,4 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo. Deste total, 20,2 milhões são idosos; 4,4 milhões trabalhadores da saúde; 2,2 milhões professores; 358,9 mil puérperas e 643,3 mil indígenas. Todos esses públicos atingiram a meta de vacinação.

Região Sudeste tem a menor cobertura

A região Sudeste é a que tem menor cobertura vacinal contra a gripe até o momento, com 84%. Em seguida estão as regiões Norte (85%), Sul (90,3%), Nordeste (94%) e Centro-Oeste com a melhor cobertura, de 99,1%.

Entre os Estados, Goiás (106,6%), Ceará (104%), Amapá (100%), Distrito Federal (97,3%), Espírito Santo (96,5%), Pernambuco (95,3%), Tocantins (95,2%), Alagoas (94,1%), Minas Gerais (93,9%), Mato Grosso (93,7%), Maranhão (93,7%), Paraíba (92,8%), Rio Grande do Norte (92,3%), Sergipe (92%), Paraná (92%), Piauí (91,4%) e Mato Grosso do Sul (90,2%) atingiram a meta do Ministério da Saúde.Os estados com as taxas mais baixas de vacinação contra a gripe são Roraima, com 66,7% e Rio de Janeiro, com 75,6%.

Segundo o Ministério da Saúde, foram registrados 4.226 casos de gripe e 745 mortes até 6 de julho, data do último boletim.

O vírus H1N1 é predominante. Do total, 2.538 casos e 495 mortes foram por H1N1. Em relação ao vírus H3N2, foram registrados 889 casos e 127 mortes. Além disso, foram 317 registros de influenza B, com 44 mortes e os outros 482 de influenza A não subtipado, com 79 mortes.

Gripe pode virar pneunomia? Saiba como prevenir a doença: