Magazine Luiza e B2W avaliam aquisição da Netshoes, mas sem acordo por ora


Netshoes contratou o Goldman Sachs no ano passado para buscar um novo sócio que possa injetar capital na companhia. Centro de distribuição da Netshoes se prepara para a Black Friday em 2017
Marcelo Brandt/G1
A Magazine Luiza e B2W estão atualmente avaliando uma potencial operação envolvendo a aquisição da Netshoes, mas até o momento não há acordo para eventual transação, afirmaram ambas as varejistas na quarta-feira (10).
Os comunicados foram divulgados após o fechamento do mercado na véspera, na esteira de notícia publicada pelo blog Brazil Journal um dia antes de que as duas empresas estavam negociando a compra da empresa de comércio eletrônico.
Na terça-feira, os papéis da Netshoes, que são negociados em Nova York, chegaram a subir quase 36% na máxima da sessão, mas encerraram com acréscimo de 18,66%, a R$ 2,48. Na quarta-feira, recuaram 11,29%.
“Não há contudo, até o presente momento, qualquer contrato, acordo ou oferta vinculante acerca de uma eventual transação, assim como não há qualquer garantia sobre a efetivação de qualquer negócio entre as partes”, disse a Magazine Luiza.
A B2W disse que está sendo assessorada pelo BTG Pactual, mas também afirmou que, até o momento, não há qualquer decisão da companhia sobre uma eventual aquisição de ações, tampouco qualquer documento vinculante.
A Netshoes contratou o Goldman Sachs no ano passado para buscar um novo sócio que possa injetar capital na companhia, depois do banco ter ajudado a empresa a refinanciar sua dívida.
Desde a estreia na bolsa de Nova York, em abril de 2017, as ações da varejista online caíram quase 90%.
Analistas do Brasil Plural consideram a operação neutra para o Magazine Luiza, já que de acordo com o atual valor de mercado da Netshoes a aquisição não afetaria substancialmente os fluxos de caixa da empresa, enquanto as operações da Netshoes não apresentam crescimento atrativo que a Magazine Luiza poderia capturar em um cenário de aquisição.
“No entanto, a empresa poderia aproveitar a oportunidade para entrar no negócio de vestuário e calçados, seguindo os passos da Amazon no Brasil”, afirmaram os analistas, em nota a clientes.
Para a B2W, eles consideram a possível aquisição negativa, argumentando que a empresa não possui nenhum caixa extra disponível para a aquisição de uma empresa com crescimento lento e queima de caixa, “já que enfrentam um ambiente mais competitivo em comércio eletrônico no Brasil, com os concorrentes adotando uma abordagem mais agressiva sobre frete grátis e outras iniciativas comerciais”.
De acordo com o blog Brazil Journal, as empresas estão conduzindo auditorias na Netshoes – o BTG Pactual estaria assessorando a B2W, e o JPMorgan, o Magazine Luiza.