Maconha afeta cérebro da criança e eleva risco de doenças psiquiátricas

Foto da criança com cigarro de maconha foi enviada em aplicativo de mensagens

Foto da criança com cigarro de maconha foi enviada em aplicativo de mensagens
Reprodução

O impacto dos efeitos da maconha nas crianças são ainda maiores que em adultos, pois seu cérebro está em formação, segundo a neuropediatra Iara Brandão. Além disso, a substância pode desencadear problemas psquiátricos, caso exista predisposição. 

“O impacto é imensurável e irreparável, porque o cérebro da criança está em franco crescimento. Há um efeito tóxico em diferentes áreas do cérebro. A substância danifica redes neurais e afeta áreas como amígdala e hipocampo, estruturas relacionadas à memória e às emoções”, explica.

Leia também: Jovens expostos à violência podem ter alterações no cérebro

O psiquiatra Ivan Mario Braun ressalta que estudos sobre o assunto sugerem que há riscos semelhantes aos de adultos, como desenvolvimento de dependência, aumento de risco de episódios de ansiedade aguda, sintomas depressivos e psicóticos. “Além disso, há sugestão de riscos específicos à faixa etária, no sentido de prejudicar o desenvolvimento cerebral e o desempenho escolar”, afirma.

Estudos ainda apontam que o consumo precoce da maconha pode influenciar a dependência química no futuro, de acordo com o médico. 

Nesta sexta-feira (26), um vídeo em que um menino de apenas 1 ano e 5 meses fuma maconha no parque São Miguel, zona sul de São Paulo, viralizou na internet. A droga é oferecida à criança por uma adolescente de 14 anos. A mãe das crianças, segundo a polícia, estava no local, mas não participou das gravações. 

Os três jovens que aparecem nas imagens, a mãe e dois tios das crianças foram detidos.

Saiba mais: Brasileiros estão entre os mais preocupados do mundo, diz estudo

A neuropsiquiatra explica que o cérebro da criança é modulado pelo ambiente. “Tudo que ela vivencia fará parte de sua formação. Além do efeito físico da droga, há o efeito psiquíco de coação”, frisa.

Segundo o psiquiatra, existem poucos estudos sobre o uso da cannabis por crianças pequenas, mas, com a difusão do consumo em alguns países, há grande quantidade de estudos sobre casos, cada vez mais frequentes, de intoxicação em crianças por ingestão acidental.

Leia também: Estresse pós-trauma afeta cérebro, como mostra caso de Ariana Grande

“Nessas situações, pode haver alterações cardiovasculares, vômitos, dilatação das pupilas, alterações graves da coordenação motora, confusão mental e mesmo coma. A inspiração de fumaça, como consumo secundário ao dos adultos próximos, também pode ter as mesmas consequências tóxicas”, explica.

Sair da linha ao desenhar pode ser sinal de que a criança precisa de óculos: