Lucro da CCR recua no primeiro trimestre


Lucro líquido foi de R$ 358,1 milhões no período, queda de 19,9% na comparação com a mesma etapa de 2018. A CCR indicou nesta segunda-feira (29) interesse em expansão de negócios no Brasil e no exterior, num esforço para retomar o foco do investidor na agenda estratégica da companhia, enquanto tenta superar os prolongados efeitos da greve dos caminhoneiros do ano passado e de polêmicas envolvendo um acordo de leniência.
Maior operadora de infraestrutura e de mobilidade urbana do país, a CCR planeja participar de 11 concessões federais de rodovias até 2021, assim como da licitação de linhas de trens metropolitanos e de intercidades, em São Paulo e da relicitação do aeroporto de Viracopos. A empresa ainda sinalizou planos de expansão de negócios na Colômbia e na América Central.
Empresa enfrenta queda de 20% de suas ações na bolsa desde o final de janeiro
CCR RodoNorte
Com queda de cerca de 20% de suas ações na bolsa desde o final de janeiro, a CCR firmou nos últimos meses acordos com procuradores do Paraná e de São Paulo, comprometendo-se a pagar mais de R$ 800 milhões para por fim a investigações envolvendo caixa 2 eleitoral e corrupção.
O episódio colocou a companhia no centro de uma polêmica sobre governança, com empresas especializadas em orientar acionistas recomendando reprovar um programa de incentivo à colaboração, que previa pagamento de R$ 71 milhões a executivos envolvidos em atos ilícitos. A proposta foi aprovada por maioria, em assembleia na semana passada.
“Concluídos os acordos, queremos retomar a percepção de valor da companhia”, disse à Reuters o diretor financeiro e de relações com investidores da CCR, Arthur Piotto Filho. “Este é um dos principais desafios deste ano.”
Segundo o executivo, a empresa vem preparando suas finanças para as próximas concorrências públicas. No primeiro trimestre, a combinação de crescimento das receitas e controle custos fizeram o indicador dívida líquida/Ebitda atingir 2,6 vezes, ante 2,8 vezes ao final de 2018. Na avaliação da diretoria, esse índice poderia ir a até 3,5 vezes sem comprometer a sustentabilidade financeira.
“Dito de outra forma, isso nos permitiria em um endividamento adicional de até R$ 5 bilhões”, disse Piotto Filho. “Isso nos dá um poder bastante bom de participar de próximas licitações.”
Resultado
A CCR teve lucro líquido de R$ 358,1 milhões, uma queda de 19,9% ante mesma etapa de 2018. De todo modo, foi uma reversão após o prejuízo de R$ 307 milhões no quarto trimestre.
A companhia ainda acusou os desdobramentos da greve dos caminhoneiros em 2018, que entre outras consequências forçou o governo federal e o do Estado de São Paulo a isentar cobrança de eixo suspenso de caminhões vazios. Segundo a empresa, essas isenções resultaram em perda de receita de R$ 74,2 milhões no primeiro trimestre. Desde o início das isenções a conta chega a R$ 250,3 milhões.
“As isenções de eixos suspensos são passíveis de reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos, e as formas de compensação estão sendo discutidas com os poderes concedentes”, afirmou a CCR no balanço.
O resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,382 bilhão entre janeiro e março, aumento de 14,5% contra um ano antes.
O tráfego de veículos nas rodovias administradas pela CCR no primeiro trimestre foi 0,9% superior ao de mesma etapa do ano passado, excluindo efeitos como o das isenções de eixos suspensos. Sem esse ajuste, em termos consolidados, o tráfego caiu 1,2%.